Pais

3 erros de disciplina que todas as mães cometem

Quando precisamos lidar com mau comportamento, todo mundo comete erros. Nós podemos te ajudar a acertar alguns pontos

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

erros de disciplina que toda mãe comete

Algumas vezes, nós colocamos várias ações e reações dos nossos filhos embaixo do mesmo guarda-chuva: o mau comportamento. Mas nem sempre o choro baixo ou os gritos significam birra. Ás vezes a criança está apenas cansada e precisa de um tempo para si. Apesar de não conseguirmos controlar sempre o que nossos filhos fazem ou como eles agem, nossas atitudes podem ser controladas se conseguirmos enxergar o que estamos fazendo de errado e mudarmos a perspectiva com a qual enxergamos os momentos de indisciplina dos nossos filhos.

Nossos filhos costumam fazer as mesmas coisas quando estão cansados, com fome, irritados ou com sono. Por isso, é responsabilidade dos adultos perceber e fazer ajustes de acordo com a situação. Ignorar os sinais que a criança dá é um dos muitos erros de disciplina que os pais cometem todo o tempo, mas ajustá-los pode fazer uma grande diferença na experiência de ser mãe ou pai. Saiba quais são os erros mais frequentes que cometemos para ficar mais atenta.

Anúncio

FECHAR

1) Somos muito negativas

 “Não bata na sua irmã”, “Não puxe o rabo do cachorro”, “Pare de pular na cama”. O número de vezes que falamos “não faça” para nossos filhos é infinito. Antes de proibir, peça pelo comportamento que você quer ver. Ninguém quer criar um filho que não sabe obedecer limites, mas quando dizemos “não” tantas vezes, a criança cria quase uma imunidade a essa palavra, que para te ter o mesmo efeito.

Muitas vezes, proibimos algumas coisas sem deixar claro para a criança o que é o certo. O melhor mesmo é deixar o “não faça” para situações de perigo ou emergência. Tente reforçar o bom comportamento: “Trate sua irmã com carinho”, “Brinque direito com o cachorro”, “Que tal você deixar para pular lá fora?”.

2) Nós esperamos demais das crianças

Você está sentada, digamos, no banco de uma igreja e seu filho começa a gritar. No mesmo momento que você pede silêncio, ele grita novamente. Mas por que ele não ouve? Algumas crianças muito pequenas ainda não desenvolveram a noção de controle dos próprios impulsos ou as noções sociais. Muitas vezes, nós achamos que as crianças sabem mais do que elas realmente sabem, por isso, da próxima vez que seu filho quebrar uma regra, diga a você mesma que ele não está tentando ser um incômodo, ele pode apenas não saber direito como agir em determinada situação, por isso, uma bronca não será eficiente (ou justa).

Tente mostrar para seu filho como você gostaria que ele agisse, se comportando dessa forma também. Por exemplo, se vocês estiverem em uma igreja, você pode dizer: “Aqui nós precisamos ficar quietos, mas se você precisar de alguma coisa, póde falar baixinho comigo”. E mostre como as outras pessoas também estão se comportando. Crianças são mímicos natos, por isso usar outras pessoas como exemplo quase sempre dá certo.

3) Nós temos um comportamento diferente do que queremos ver

 Quando você derruba alguma coisa, você reclama. Alguém faz algo que você não gosta, você diz alguma coisa rude. Mas depois você fica brava quando seu filho faz exatamente as mesmas coisas que você se alguma coisa não sai do jeito que ele quer. O melhor é pedir desculpa e explicar para seu filho que essas ações não são tão legais.

Existe um efeito bumerangue na educação das crianças: se você grita ou fala palavrão, provavelmente seu filho vai fazer o mesmo. Isso também cria a chance de falar sobre como você reagiu e mostrar para seus filhos que existem jeitos mais apropriados de responder quando estamos frustrados.