Notícias

Escola de ensino integral é modelo na superação da desigualdade

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

saladeaula

(Foto: Shutterstock)

Pesquisa que mapeou escolas brasileiras e estrangeiras mostra que o ensino integral no ensino médio ajuda a superar as desigualdades em questões como inclusão social, autonomia, raça, gênero e sexualidade. O estudo foi divulgado hoje (2), em São Paulo, durante o Seminário Internacional Educação Integral e Ensino Médio: Desafios e Perspectivas na Garantia da Equidade, promovido pelo Centro de Referências em Educação Integral, Instituto Unibanco e Cidade Escola Aprendiz.

Vinte e nove escolas foram selecionadas, 12 delas estrangeiras, que se destacaram pela qualidade na educação ao vencer prêmios ou por indicação de secretarias municipais e estaduais de educação. Os pesquisadores escolheram instituições de países como Estados Unidos, Afeganistão, Peru e Argentina.

Segundo Julia Dietrich, gestora do Programa Centro de Referências em Educação Integral, “esses países têm uma trajetória semelhante à nossa, com necessidade de reafirmar a integralidade da educação, mas que ainda não conseguiram fechar a equação do desenvolvimento integral”.

Anúncio

FECHAR

Julia afirmou ainda que o ensino integral não significa apenas a ampliação do tempo do aluno dentro do ambiente escolar, mas tem a ver com o desenvolvimento do indivíduo em suas múltiplas dimensões, física, intelectual, emocional e social.

“Todo projeto político-pedagógico de escolas no Brasil quer formar cidadãos críticos, conscientes do seu papel no mundo, capazes de transformar as suas realidades. O que a escola faz, na verdade, é inviabilizar esse processo. Cria cidadãos apáticos, fechados, com uma prioridade conteudista e não com uma abordagem do tipo: para que serve determinado conteúdo? O que a gente quer com isso?”.

Ângela Meirelles de Oliveira, doutora em história e pesquisadora da USP, que também atuou na pesquisa, disse que o ensino vem sendo relacionado erroneamente à instrução no Brasil. “A gente tem que reforçar que a educação precisa lidar com o sujeito como um todo.

A partir das conclusões do estudo, foram elaboradas 92 recomendações para as escolas interessadas em introduzir o ensino integral. Além de derrubar preconceitos, os pesquisadores recomendam o fortalecimento da autonomia do estudante, a possibilidade de intervir no seu próprio currículo escolar, nas decisões da escola e a promoção da diversidade.

*(Com informações da Agência Brasil)