Mais

Sensibilidade à flor da pele

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Algumas crianças nascem mais sensíveis e choram por tudo. Antes de perder a paciência, ajude seu filho a não levar as coisas tão a sério

Por Michelle Crouch / Tradução de Samantha Melo, filha de Sandra e Tião

Anúncio

FECHAR

Minha filha de 6 anos, Stella, gritava quando eu escovava seus cabelos ou quando eu dizia “não” e chorava quando sua irmã a provocava. Ela era a rainha do drama. Mas eu conversei com especialistas e descobri que ela não estava fingindo.

Ela tem o que eles chamam de sensibilidade emocional. "É um traço que faz com que algumas crianças sintam a dor mais profundamente do que as outras", explica o terapeuta Jeremy Schneider. Crianças nascem mais sensíveis, mas seu comportamento pode parecer normal até os 5 ou 6 anos, quando surgem as birras e ataques de choro. Os pequenos podem até não superar esses sentimentos, mas podem aprender a controlar suas reações e ficarem mais fortes. Foi o que aconteceu com Stella. Então siga estes passos para ajudar seu filho a administrar suas emoções.

Não desvalorize o sentimento
Quando ele começar a berrar depois de cair e ralar o cotovelo, mesmo se nem tiver sangrado, provavelmente você vai dizer a ele para se acalmar ou superar. Especialistas dizem que isso só piora as coisas, especialmente se a criança percebe que você está frustrado ou com raiva. "Quando você tenta fazer com que o seu filho pare de exagerar, isso faz com que ele sinta com mais intensidade e ainda fique chateado com você", diz Elinor Bashe, psicóloga infantil. Você não deve reforçar o choro, dando muita atenção, claro, mas pode dizer algo como: “Eu sei que dói” ou “deve ter assustado quando você caiu, não é?” Então, ajude seu filho a concentrar a energia na resolução do problema: “você acha que devemos lavar com água e sabão ou colocar gelo? Ou talvez uma atadura”?

Ajude-o a encontrar as palavras
Crianças sensíveis tendem a experimentar uma emoção forte, seja constrangimento ou frustração. Por exemplo, se você diz à sua filha que a amiguinha não pode ficar para o jantar e ela chora, você pode ajudar, dando nomes aos sentimentos: “Querida, eu sei que você está com raiva porque a Amanda não pode ficar.” Talvez ela pare ou diminua suas birras ao ouvir alguém falar de suas emoções, pois vai finalmente começar a entender sozinha o que sente, em vez de gritar e chorar.

Dê explicações
Crianças de 5 e 6 anos adoram saber de tudo, então use isso a seu favor. Se o pequeno tem medo de injeções, explique como a vacina o impedirá de ficar doente e também pergunte se ele quer a picada em seu braço esquerdo ou direito. Quando você dá informações para as crianças, isso as torna mais corajosas. Seu filho também precisa ter expectativas realistas antes de tentar algo novo, como montar um quebra-cabeça de 300 peças. Você pode ajudá-lo dizendo: “esse é mais difícil do que o seu outro quebra-cabeça, então você deve demorar bem mais tempo para terminar."

Ajude-o a resolver o problema
Se seu filho está chorando porque não consegue amarrar seu tênis, por exemplo, acalme-o dizendo algo como: “É difícil te entender quando você está tão chateado. Quando você parar de chorar, vamos conversar para que eu possa ajudá-lo.” Depois que ele relaxar, discuta maneiras de resolver o problema. Tente lembrá-lo que há sempre uma solução, e ele não deve sentir vergonha de pedir ajuda.

Para saber mais


Crianças Sensíveis – Como preparar seu filho para enfrentar o mundo de hoje, de Elaine Aron
Trata de um tipo específico de criança: as com sensibilidade alta. Aprenda a lidar com o seu filho sem prejudicar a sua personalidade.
Editora Campus (www.editoras.com/campus), R$79


A Criança e o Choro, o Método Brazelton, de T. Berry Brazelton
Ensina a reagir perante as birras, qual o grau de atenção que merecem e como lidar com o choro excessivo.
Editorial Presença (www.presença.com.br), R$40

Pais&Filhos TV