Gravidez

Não me irrite, estou grávida

Sabe aqueles chatos que a gente enfrenta quando espera bebê? Veja aqui se você se reconhece (ou se encaixa) nesses perfis

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

NAO-ME-IRRITE-ESTOU-GRAVIDA_shutterstock_48361561

A maioria de nós que está grávida ou já esteve sabe que este é um momento único, no qual a gente se sente uma quase celebridade. É gente desconhecida que passa na rua e sorri para nós, gente deixando que furemos a fila do banheiro e dando o lugar no ônibus para que sentemos. Mas, como tudo na vida, as grávidas têm de suportar algumas dificuldades – como enfrentar “os irritantes”.

Sabe aquela pessoa que fala alto no meio do restaurante sobre a sua gravidez? (E você querendo mantê-la em segredo no começo…). Ou aquela sem-noção que fuma próximo de você, mesmo que seu barrigão esteja lá, evidente? Pois é. Listamos aqui algumas das pessoas mais irritantes para a grávida. Qual é a sua TOP chata?

Anúncio

FECHAR

O Super Estraga Prazeres: Este se orgulha de ter habilidades de “super-herói” quando o assunto é gravidez. Ele, ou ela, se orgulha de sentir de longe o cheirinho de bebê no ar. Adora demonstrar a habilidade de adivinhar quem está grávida ao seu redor. E caso você esteja esperando um filho e queira manter a gravidez em segredo por algum tempo, nem pense em marcar um jantar com ele – ou algo do tipo. Se você dispensa o vinho e diz que quer só comer o bife… Ixi, ele já fica de olho e, a qualquer momento, pode falar alto bom som sobre a sua possibilidade de gravidez. Eles reconhecem o “brilho dos olhos”, o “espirro de grávida” e outros sinais que, para muitos, passam despercebidos.

A celebridade grávida de biquíni: Você nunca (ou provavelmente não) vai cruzar o caminho dessas mulheres. Pode ser uma super top model, uma cantora de rock, uma estrela da novela das 9. Se você está grávida ao mesmo tempo que uma mulher assim, vai entender o quanto elas podem ser irritantes – mesmo de longe.  A mídia vai seguir a celebridade em seu passo a passo e você, provavelmente, vai ver sobre ela em tudo quanto é lugar. E enquanto você se sente inchada e em recuperação após o parto, vai deparar em revistas e jornais com a famosa de biquíni duas semanas depois de dar à luz.  Incrível!

A amiga “tudo pode”: Sabe aquela amiga ou conhecida que quer dizer para você relaxar o tempo todo? Elas não querem que você se estresse sobre assuntos como pasteurização, ingestão de álcool ou qualquer outra coisa que preocupam as grávidas “normais”. Elas ficam o tempo todo te dizendo para beber cerveja porque elas beberam durante toda a gravidez e seus filhos estão bem. Um churrasco com ela é chato “vou lá pegar um copo de cerveja para você agora. Você pode!”. E aí se prolongam contando sobre a gravidez de sua mãe que fumava dois maços de cigarro por dia e, olha só!, ela está viva. Mas, ao mesmo tempo, são essas mulheres que sabem de cor “O que esperar quando você está esperando”. Irritantes.

O adorador de barrigas: Você conhece essa pessoa. Ela ou ele adoram passar a mão na barriga de grávida. Não podem avistar uma barriga a metros de distância que vêm rapidinho passar a mão. Talvez elas nem te conheçam, mas vêm saber se é menino ou menina, e ficam por minutos passando a mão. Para se livrar disso, se você não tiver afim disso, evite ser uma pessoa deste tipo para outras grávidas. Pode ser difícil, mas evite o gesto, pelo menos, com pessoas não tão íntimas.

O agourento: Este tipo é assustador. Adora relembrar histórias horríveis e que deram errado na vida da vizinha, da tia da prima da fulana… Casos trágicos que, geralmente, acontecem no mesmo período da gravidez em que você está. “Nossa! Você está na 30ª semana? Minha vizinha perdeu o neném nessa época enforcado no cordão umbilical!”. “Você já ouviu falar de tal síndrome que o bebê pode criar a partir dessa época de gravidez? Cuidado!”. Nossa, fuja dessa uruca, minha querida. Nada mais horripilante para a grávida do que alguém que a encha de insegurança.

O senhor pergunta pessoal: Esse tipo de pessoa é totalmente sem noção. Elas não se importam em fazer perguntas constrangedoras. “Quando você perdeu a virgindade? Você consegue fazer sexo com a barriga?”. Perguntas pessoais são suas preferidas. “Quanto você pesa? Quanto engordou? Quantos anos você tem? A gravidez foi acidental ou planejada?”. E por aí vão: querem saber sobre a mamadeira, o peito, o tipo de parto… Ai, irritantes!

O maníaco dos gêmeos: Essa pessoa não consegue passar por uma grávida e não perguntar sobre a gravidez. E não se satisfazem. Têm de perguntar: “Mas você tem certeza de que não são gêmeos? Não sei, está parecendo!”. Não dá para entender o fascínio que tantas pessoas têm em relação à gravidez de gêmeos. Por que é tão popular? Às vezes parece que a pessoa quer falar que você está com a barriga maior do que o esperado…

O fumante sem noção: Tudo bem que cigarro é um vício. A gente entende que é difícil largar e tal. Mas nem por isso é fácil entender grávidas que continuam a fumar, mesmo sabendo dos malefícios que podem causar aos bebês: parto prematuro, bebê de baixo peso, crianças com mais chances de desenvolver problemas respiratórios e com mais chances de se tornarem viciadas ao longo da vida. E nem só essas mães são irritantes – tem gente que não se importa em acender um cigarro perto de grávida. Poxa! É muito chato.

Mães de “miss”: Cabelo liso é supervalorizado. Agora, qye a mãe sucumba às pressões da moda por manter o cabelo esticado à base de todo tipo de produto químico, escova e chapinha, ainda vai. Ela é adulta, sabe o que faz. Agora, impor esse tipo de preocupação à filha é demais. Primeiro porque passa a mensagem de que ela não é bonita o suficiente ao natural, de que cabelo cacheado ou crespo é feio. Segundo, porque o cabelo e a pele da criança são muito mais sensíveis e não estão preparados para esse tipo de agressão. Querer imitar a mãe é natural, mas só de brincadeira. Mais vale fazer uma escova com o secador mesmo, só pra ela matar a curiosidade. E nada de virar rotina, porque aí já não é mais brincadeira e perde a graça. A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda que as meninas comecem, no mínimo, aos 14 ou 15 anos e não recomenda que crianças de 11 anos façam progressiva nem relaxamento.

O tarado da pergunta “é seu neto?”: Todo mundo está cansado de saber que as mulheres hoje têm filho mais tarde. Se antes a mulher que engravidava pela primeira vez depois dos 30 era considerada “velha demais para engravidar”, hoje tem mulher dando à luz já bem perto dos 50. Mas, mesmo sem essa explicação inicial, NUNCA, em hipótese alguma, se pergunta para uma mulher se o bebê que ela tem no colo ou no carrinho, é neto dela. Melhor errar ao perguntar se a criança é filho (e descobrir que é neto) do que o contrário. Na primeira hipótese, a vovó vai ficar orgulhosa de parecer jovem; na segunda, a mãe que foi chamada de avó, vai ficar bastante ofendida, com toda a razão. E, quer saber? Se puder segurar a curiosidade, não pergunte nada.