Criança

Sempre alerta: boia de braço

Quando o assunto é piscina, todo cuidado é pouco

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

 

04/01/2013
 
Quando o assunto é piscina, todo cuidado é pouco. Com criança (e não só as pequenas!) não adianta confiar em bóia, prancha de isopor ou qualquer outro artefato flutuante. Por outro lado, também tem pai que coloca a bóia de braço nos filhos e se esquece da vida. Fica conversando, tirando um cochilo, tomando sol, achando que o filho está seguro. Não é bem assim, não. Bóia, definitivamente, não é colete salva-vidas e, mesmo com ela, seu filho corre risco de se afogar, sim. Ela pode sair do braço (ou seu filho pode pensar que é peixe e tirá-la sozinho), pode furar, esvaziar… E se a criança colocar a cabeça dentro d'água, pode não conseguir voltar. Segundo o Ministério da Saúde, em 2005 o afogamento foi a causa de 26% dos acidentes que resultaram na morte de crianças de 0 a 14 anos. A gente tem de estar sempre por perto – e muito atento, já que 78% dos acidentes com crianças ocorrem mesmo com um adulto do lado. Então, já sabe: bóia ajuda, mas não resolve. Você tem de estar ali. E sempre alerta. 
 
Consultoria
 
Ong Criança Segura

Pais&Filhos TV