Colunistas

Bom senso materno

Fazer o que todo mundo faz e posta na internet só para se inserir em uma ou outra tribo materna é um risco. E quem paga a conta geralmente é o bebê

Tenho lido muita coisa estranha sobre maternidade nos grupos de que participo. É mãe que coloca achocolatado no leite materno, mãe que compra iPhone para dar para a criança de cinco anos no Dia das Crianças, mãe que compartilha a cama com os filhos quando eles já estão bem, mas bem grandinhos…

Mãe que até tem uma rotina de vida e educação em casa, mas aí lê que fulana faz isso e beltrana faz aquilo e, de uma hora para a outra, muda toda a rotina da criança para se igualar a determinado grupinho de mães do Facebook ou do Instagram.

Vejo mãe perdendo o bom senso da educação materna. Deixando de lado os próprios princípios e valores para agradar a amiga virtual.

Anúncio

FECHAR

Gente, educação é coisa séria, criação de filho também. Não dá pra ficar brincando de casinha com a criança, achando que isso não terá impacto no futuro dela.

Esses dias li que uma mãe deu Coca-Cola para um bebê porque ele estava com refluxo ou algum problema intestinal. Não precisa ser mãe aplicada (aliás, não precisa nem ser mãe) para saber que um refrigerante não é o melhor medicamento para curar o refluxo de um bebê, certo?!

Cadê o pediatra nesse momento? Onde ficou o critério de consultar um médico antes de dar qualquer coisa para a criança? O que faz um grupo ou um fórum de maternidade ter mais credibilidade do que a palavra de especialistas?

A ideia de criarmos filhos politicamente corretos e perfeitinhos para a vitrine virtual está extrapolando alguns limites, na minha opinião. Claro que cada casa é um caso e que cada família age e cria seus filhos como bem entende. Mas a partir do momento que expomos os nossos “modos” em redes sociais, temos de ter consciência de que podemos, de alguma forma, influenciar alguém. Para o bem ou para o mal.

Também não quero fazer discurso de “ahhhh, na casa dela é tudo certinho e tudo funciona perfeitamente bem!” Nada disso. Aqui em casa tem mãe que toma Coca Zero, tem filho que não come fruta e que às vezes dorme sem escovar os dentes. Teve parto cesárea, teve criança que não mamou no peito. Mas eu acho que nem tudo precisa ser exposto, colocado no blog, nem precisamos colocar bandeirinha de destaque em todos os passos que damos em relação aos nossos filhos.

Perdemos a individualidade materna. Criamos nossos filhos de acordo com os algoritmos do Facebook ou olhando para os coraçõezinhos de curtidas. E nos esquecemos de sair do mundo virtual, entrar no mundo real e olhar para o dia a dia offline das nossas crianças.

Pais&Filhos TV