Bebês

Bebês de várias partes do mundo dormem em caixas de papelão. Descubra o motivo!

Conheça a tradição finlandesa que existe desde 1930

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

bebe_caixa

Uma empresa finlandesa foi criada para comercializar o produto em vários países (Imagem: Divulgação / Finnish Baby Box Company)

A Finlândia tem uma das taxas de mortalidade infantil mais baixas do mundo. E uma tradição de 1930 é apontada como uma das causas para isso. Lá, independentemente da classe social, todas as mães recebem uma caixa de papelão com presentes para seu bebê, como roupas, pijama, sapatinhos, produtos de banho, fraldas, babadores, toalha e um álbum fotográfico. A própria caixa pode ser usada como um berço, pois vem com um pequeno colchão. As informações são do site da “BBC”.

Além disso, ela evita que o bebê durma na cama dos pais e reduz o risco de morte súbita por asfixia, de acordo a reportagem. Alguns locais, como a África do Sul, já estão adaptando a ideia para outras necessidades do país. Empresários sul-africanos fizeram uma caixa plástica que também pode servir como banheira.

Leia também

Anúncio

FECHAR

Mortalidade infantil cai 73% no Brasil nos últimos 25 anos

10 causas que levam à prematuridade

Aprenda como montar uma pia de papelão para seu filho

Outro objetivo da caixa com presentes , inclusive na Finlândia, é incentivar que as mães compareçam nas consultas de pré-natal. Agora, o costume está se espalhando por diversas partes do mundo: México, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e África do Sul foram alguns dos países a adotar a medida que tem se mostrado eficaz por fornecer à mãe e ao bebê alguns itens muito úteis para as primeiras semanas de vida.

Por isso, em 2014, três pais finlandeses resolveram criar uma empresa para comercializar as caixas para clientes de vários países, a Finnish Baby Box Company. Nos Estados Unidos e no Reino Unido também já existem empresas similares. O governo da Cidade do México se inspirou no modelo finlandês e criou um projeto para acompanhar a gravidez de mães com menos recursos financeiros para combater a mortalidade infantil.

E você, o que achou da ideia?