Bebês

Por que o bebê chora?

Analisamos os suspeitos de sempre (e outras possibilidades que nem passam pela sua cabeça) para ajudá-lo a descobrir e resolver

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

por que o bebê chora

Seu bebê já comeu, a fralda está seca, e ele parece bem descansado .Então por que raios ele começa a choramingar de repente? Embora possa parecer à toa, pode ter certeza de que os bebês sempre choram por algum motivo. “É a maneira que os bebês têm de pedir ajuda”, explica a pediatra Charlotte Cowan, de Boston. “E é sua função descobrir o que ele precisa”. Pois é, óbvio, mas vai traduzir esse pedido e ajuda… Nem sempre é fácil, a gente sabe. Enquanto você procura por pistas para entender o desconforto de seu filho, é importante manter a calma e deixá-lo tranquilo.

Para isso, converse com ele, com uma voz reconfortante, dizendo: “Não sei o queestá errado, mas vou descobrir e fazer você se sentir melhor”, sugere o Prachi Shah, pediatra especializada em desenvolvimento e comportamento, do Hospital Infantil do Texas. Para facilitar essa tarefa, preparamos uma lista com as reclamações mais prováveis e propomos algumas estratégias para trazer o sorriso de volta ao rosto do seu filho. E ao seu, claro.

Anúncio

FECHAR

“Você pode, por favor, tirar esse casaquinho?”

Só porque lá fora está ventando, não significa que seu bebê precisa estar vestido como um esquimó. Os pais tem a tendência de agasalhar seus filhos mais do que o necessário e, com isso, eles ficam incomodados.

A solução: Para evitar excessos, tome por base as roupas que você está usando e vista seu bebê de maneira proporcional. Se você ainda ficar na dúvidas e seu filho está com frio ou com calor, coloque sua mão sobre a barriga dele para medir a temperatura. O método clássico de pegar no pezinho ou colocar a mão no rosto não funciona. “Os pés e as bochechas do bebê podem estar frios mesmo que ele esteja confortável”, diz a doutora Charlotte Cowan.

“Será que não dá paraas pessoas se entenderem?”

Bebês não entendem frases como “E não acredito que você esqueceu de pagar a conta do cartão de crédito! ”ou “ Por que você sempre espera eu pedir para tiraro lixo?”. Mas eles podem perceber que a mamãe e o papai estão brigando – e eles não gostam disso. “Se o clima está tenso ou alguém está gritando, o bebê percebe e pode ficar irritado por conta disso” diz a pediatra Ellen Schumann, da clínica Marshfield, de Wisconsin.

Solução: Discussões entre o casal vão acontecer de vez em quando, não tem jeito, ainda mais nesta fase, em que o bebê demanda muitos cuidados, e demaneira especialmente intensa. Não dá para evitar um ou outro desentendimento, mas tente expressar seus sentimentos de uma maneira calma e controlada, criando um ambiente tranquilo para a criança. Reserve as discussões mais quentes para depois queas crianças estiverem dormindo.

“Estressei!”

Muito barulho, movimento ou luz forte – em um shopping, um restaurante ou mesmo uma reunião familiar, pode levar o bebê às lágrimas. E, depois de um certo ponto, muita estimulação, mesmo que tudo o que você tenha feito seja rodeá-lo de brinquedos. Para ele, pode ser demais.

Solução: Toda criança tem um limite diferente, então preste atenção na maneira como seu bebê lida com lugares movimentados. Não passe muito tempo dentro de uma loja ou supermercado. Vá aos restaurantes fora de horário do pico e apresente novos brinquedo sem doses homeopáticas. Quando chegar em casa depois de passar por um lugar movimentado dê um tempo e descanse em silêncio, para que seu bebê agitado se acalme e volte à rotina.

“Minha barriga dói!”

São muitas as razões e possibilidades para explicaro desconforto que seu bebê sente quando tem cólicas e dores de estômago. Podem ser gases, dor de barriga, alergia ao leite (especialmente para os bebês que não mamam no peito)… Tudo isso pode causar cólicas e fezes mucosas. Uma outra possibilidade pode ser o refluxo, que faz com que alimentos ingeridos voltem ao esôfago, causando desconforto.

Solução: Faça seu bebê arrotar com mais frequência. Alivie os gases massageando a barriguinha ou pedalando as perninhas. Se você estiver amamentando, tente fazer com que esvazie o conteúdo todo de um dos seios em cada mamada. Para os bebês que tomam mamadeira, use bico anatômico e como furo correto, bem pequeno, assim a criança não engole tanto ar ao beber o leite. Se tudo isso não ajudar, converse com o pediatra sobre a possibilidade de se tratar de intolerância à lactose ou alergia à proteína do leite. Você pode deixar a criança sentada após as mamadas. O pediatra também pode diagnosticar se ele tem refluxo gastresofágico e receitar medicação.

“Ai, algo está me pinicando!”

Seu bebê pode ter um fio de cabelo ou uma linha enrolada entre seus dedinhos, interrompendo a circulação e causando dor e inchaço. Isso é mais comum do que imaginamos e pode até causar marcas permanente sna pele do bebê. Etiquetas e zíperes podem irritar a pele da criança. O cinto da cadeirinha do carro ou doc arrinho também podem estar apertados demais.

Solução: Tire a roupa da criança e inspecione os dedinhos, se encontrar um fio (de roupa ou de cabelo), desenrole ou corte com uma tesourinha. “Se você tem um menino, observe se o cabelo está enrolado no pênis”, lembra a doutora Schumann. Também cheque os zíperes, etiquetas e ajuste os cintos de seguranças para que não fiquem tão apertados.

“Estou me sentindo sozinho aqui!”

Entre 6 e 9 meses, seu bebê vai aprender que ele é um ser separado de você, o que é muito bom. O efeito colateral não tão bacana é que ele vai começar a chorar assim que você sair do quarto simplesmente porque vai sentir sua falta.

Solução: Você pode deixar o bebê entretido com alguma atividade enquanto faz outra coisa, mas, se notar que a separação gerou escândalo, dê atenção ao seu pequeno. Uma massagem leve ou até mesmo cócegas nas costas podem assegurar à criança de que você sempre volta. Se você já tentou de tudo e, mesmo assim, ele não pára de chorar, talvez seja mais fácil deixar o bebê perto de você quando estiver fazendo suas coisas. A fase passa perto dos 15 meses.

“Estou com fome!”

Seu bebê comeu faz uma hora e ainda não é hora de comer de novo. Ou será que é? Se ele estiver passando por uma fase específica de crescimento, as lágrimas podem significar: “Garçom, quero fazer mais um pedido”. Essas fases de crescimento acontecem durante a segunda e sexta semana e no terceiro e sexto mês e duram cerca de dois dias, explica Melissa Nagin, consultora especializada em amamentação. Como bebês não costumam seguir calendários, essa “fominha” pode acontecer a qualquer momento.

Solução: Seu bebê está mesmo com fome? O melhor modo de testar é levá-lo para passear. Se parar de chorar ou dormir, não precisa de comida. Mas se chorar durante todo o passeio, ofereça o peito.

“Estou ficando cansadode olhar para essa parede.”

Passar uma hora na mesma cadeira ou no mesmo canto do quarto não é nada divertido. Os bebês gostam de mudar de cenário com frequência e acabam entediados.

Solução: Mude a criança de um quarto para outro, levando-a para uma volta no parque ou até mesmo levando ele com você quando for às compras. Caso não seja possível, falar e interagir com o bebê já é uma grande dose de entretenimento.“Os bebês são seres muito sociais” diz o doutor Shah.