Engravidar

Gravidez depois dos 50? É possível e a gente discute os prós e contras!

Cada uma tem a sua hora certa para engravidar

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: Shutterstock)

(Foto: Shutterstock)

Em nome de esperar um momento de melhor estabilidade, cada vez empurramos mais para frente a decisão de ter um filho. Falta terminar o mestrado, dar entrada na casa própria, arrumar um parceiro estável e se sentir madura para cuidar de uma criança. Não necessariamente nessa ordem.

Nos anos 1960, era consenso que a idade ideal para a primeira gravidez ficava entre 18 e 25 anos. Após os 25, a gestante era classificada como “primigesta idosa”! A idade fértil situa-se entre 10 e 49 anos. No entanto, as técnicas de reprodução assistida derrubaram esses limites. Em tese, pode-se engravidar a qualquer momento. Mas a coisa não é tão tranquila. Em 2013, o Conselho Federal de Medicina determinou 50 anos como a idade máxima para engravidar por meio de tratamento.

Depois de muita discussão, a resolução foi flexibilizada no ano passado, deixando a cargo do médico a decisão, desde que com base em critérios científicos e orientando a futura mãe sobre potenciais riscos. Aqui a gente discute os riscos de engravidar depois dos 50.

Anúncio

FECHAR

Fisicamente

As chances de gravidez natural aos 50 anos existem, mas são bastante baixas, menos de 1%, segundo Claudia Padilla, mãe de Miguel e Isabel, especialista em reprodução assistida do Grupo Huntington. Mesmo recorrendo a técnicas como a fertilização in vitro, essa possibilidade cai de 25% aos 40 anos para apenas 5% aos 50.

Felizmente, hoje existem técnicas, como a do congelamento de óvulos, que deve ser feito pela mulher quando mais jovem. Outra possibilidade é recorrer à adoção. Segundo o Eduardo Motta, à medida que o tempo avança, todas as situações de risco para a gravidez são mais prevalentes.

O Conselho Federal de Medicina estipulou que os médicos avaliem caso a caso os riscos de um tratamento nesta fase e informem a futura mãe dos riscos envolvidos, que incluem hipertensão, diabetes, parto prematuro e baixo peso do recém-nascido.

Psicologicamente

O nível de maturidade e vivência é ainda maior que nos 40 anos. O seu “ajuste de rota” geralmente nesta fase já contempla administração do seu “Plano B”. Tudo isso faz com que a mulher tenha ainda mais espaço para dedicar suas energias e aprendizados para a maternidade, diz a coach Deborah Toschi filha de Rafael e Lourdes.

Financeiramente

A carreira pode estar no auge ou ameaçada pelo desemprego (ou troca com rebaixamento de renda) devido à “obsolescência” da profissional, imposta pelo mercado de trabalho, o que varia muito conforme a profissão.

“A gravidez de maior risco biológico pode exigir cuidados e gastos mais intensivos”, o economista Marcos Silvestre, pai de Rachel e Alexandre.  Se você já se aposentou, por exemplo, mas mantém alguma atividade remunerada, a aposentadoria entra como complemento e você pode estar mais tranquila.

“Para a aposentadoria ou para garantir a educação do filho que nasceu agora, o dinheiro deve ficar em aplicações de longo prazo”, recomenda Luciano Tavares, pai de Henrique, Eva e Helena, CEO da Magnetis.

Leia também:

Mito ou verdade: Usar pílula por muito tempo prejudica a fertilidade?

Cartas para a Cegonha: produtora usa Instagram para relatar a dificuldade de engravidar

14 coisas que você precisa saber sobre o segundo filho