Criança

Os remédios naturais que realmente funcionam

Seis tratamentos que sua avó aprovaria

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

truques-da-vó

(Foto: Shutterstock)

Separamos seis tratamentos que sua avó aprovaria e que realmente funcionam – e descobrimos os que você nunca deveria tentar em seu filho

Por Jan Sheenan / Tradução e reportagem de Samantha Melo, filha de Sandra e Tião
Para muitas mães e pais de hoje, as abordagens não-farmacêuticas para doenças são mais atraentes do que nunca.

Em uma pesquisa de 2009 realizada pela Opinion Research Corporation com 6.000 pais, 40% deles disseram que estavam interessados em remédios naturais para os seus filhos, em comparação com 23% em uma pesquisa semelhante feita em 2008. Os pais hoje querem que os tratamentos sejam suaves e naturais, mas, ainda assim, efetivos.

Anúncio

FECHAR

Quais são os melhores remédios naturais recomendados por especialistas? Do chá de camomila ao chiclete (isso mesmo!), nós fizemos a pesquisa para você.

O problema: Tosse

A solução natural: Mel

Como funciona :Mel acalma as membranas irritadas do revestimento da garganta, fazendo o ato de engolir ser menos doloroso. O mel também tem propriedades antioxidantes e antibióticas.

A prova: Em um estudo da Universidade de Penn State, com mais de cem crianças a partir de 2 anos, uma colherada de mel administrada 30 minutos antes de dormir acalmou a tosse melhor do que xarope. Os pais também avaliaram que o mel contribuiu para que a frequência e gravidade da tosse diminuíssem.

Mas atenção: Mel não deve ser dado a bebês com menos de 1 ano, pois seu sistema imunológico imaturo não pode combater a bactéria encontrada em alguns tipos, pondo-as em risco de contrair botulismo.

O problema: Alergias nasais

A solução natural: Maçãs

Como funciona: A quercetina, um componente encontrado na maçã, inibe a liberação no corpo de histaminas, compostos alérgicos que provocam a maior produção de muco, espirros e olhos lacrimejantes.

A prova: Em um estudo publicado no Jornal de Alergia e Imunologia Clínica, a quercetina (em forma de suplemento) foi mais eficaz do que um anti-histamínico tradicional.

Mas atenção: Embora a quercetina esteja disponível como suplemento alimentar, a maioria dos médicos recomenda que as crianças apenas ingiram os alimentos com ela (como mirtilos, brócolis, framboesas e cebola), porque eles contém antioxidantes e nutrientes não encontrados em suplementos.
[proximo]

O problema: Refluxo

A solução natural: Chiclete

Como funciona: Gomas de mascar estimulam o fluxo de saliva, que neutraliza o ácido do estômago e faz as crianças engolirem com mais frequência. Isso pode ajudar a mover comida pelo aparelho digestivo, reduzindo o risco de refluxo. Ainda que a condição seja muito mais comum em bebês, estima-se que muitas crianças sofram de azia ocasionalmente.

A prova: Um estudo britânico descobriu que mascar chiclete sem açúcar após uma refeição pode reduzir o ácido no esôfago e reduzir o refluxo. Ele é seguro para crianças a partir de 4 anos.

Mas atenção: A maioria desses quadros aparecem no primeiro semestre de vida da criança e se resolvem até 1 ano de idade. Nesse caso, a goma de mascar não pode ser usada.

O problema: Queimadura de sol

A solução natural: Aloe Vera (Babosa)

Como funciona: Os compostos de cura da aloe vera agem rápido porque trazem sangue fresco e oxigenado para os minúsculos vasos sanguíneos que nutrem a pele. Isso ajuda a reparar a pele queimada pelo sol mais rapidamente. Aloe vera também atua como hidratante. Feridas na pele de todos os tipos (incluindo queimaduras) necessitam de umidade para sua cura.

A prova: Em um estudo recente, a aloe vera reduziu o tempo de cicatrização de queimaduras de primeiro e de segundo grau em quase nove dias.

Mas atenção: A maior concentração é encontrada em aloe vera gel, vendido na maioria das farmácias. Hidratantes com aloe vera contêm muito menos. Você pode também manter uma planta em sua casa, quebrar uma folha e espremer o gel.

O problema: Cólicas

A solução natural: Camomila

Como funciona: A camomila relaxa os espasmos intestinais e promove um estado mental mais tranquilo. De fato, algumas pesquisas sugerem que as substâncias químicas ativas na camomila têm o mesmo efeito sobre o cérebro que um sedativo leve, mas sem os efeitos colaterais.

A prova: A planta é um remédio popular para as cólicas há séculos, e pesquisas recentes comprovam sua eficácia. Em um estudo italiano com bebês em época de amamentação que sofriam com cólicas, o chá de camomila reduziu o tempo de choro em 85%.

Mas atenção: É recomendado o aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida. Além disso, crianças podem ser sensíveis à ambrósia (planta semelhante à camomila) e podem desenvolver uma erupção depois de beber o chá.

O problema: Diarreia

A solução natural: Probióticos

Como funciona: Os probióticos são bactérias saudáveis do iogurte, da coalhada e de alguns outros alimentos e bebidas. Eles ajudam a parar a diarreia associada a antibióticos. Para diarreia infecciosa, acredita-se que as boas bactérias nos probióticos podem expulsar as más que vivem no aparelho digestivo ou matar os microganismos que causam infecções.

A prova: Em uma revisão de estudos publicados no Journal of Clinical Gastroenterology, os probióticos foram apontados como benéficos para combater a diarreia associada a antibióticos, bem como a diarreia infecciosa em crianças.

Mas atenção: O uso de probióticos no Brasil é de crescente aceitação. As fórmulas lácteas infantis já contam com probióticos em sua composição. Procure pelo Lactobacillus casei em rótulos de iogurte.

Os piores remédios naturais

  • Kawa-kawa para problemas de hiperatividade e de sono: pode causar insuficiência hepática.
  • Menta para náusea: se uma criança tem refluxo, óleo de menta em forma de cápsula ou líquido pode piorar a situação.
  • Melão Amargo para prevenir ou tratar o diabetes tipo 2: essa planta pode ser tóxica em crianças.
  • Senna para a constipação: esta erva pode causar diarreia, desidratação e problemas de coração em crianças.
  • Valeriana para problemas de sono e ansiedade: o sedativo de ervas é forte demais para a maioria das crianças.

Prevenção e Tratamento

Antes de considerar o uso os remédios naturais, é importante analisar as condições para que possamos evitar os problemas.  É imprescindível o acompanhamento pediátrico de rotina, sem o uso de auto-medicação ou auto–desmedicação-.

Além disso, há outras formas naturais de tratamentos que podem ser orientadas pelos profissionais de saúde como a homeopatia e a fitoterapia, ambas incluídas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC).
[proximo]

Depoimento

-Nossa família sempre foi adepta de remédios naturais. Em uma noite, quando o Gabriel tinha 4 meses, começou a chorar sem parar e nada o acalmava, resolvi então dar um chá de camomila, imaginando que pudesse ser cólica e, de fato era, porque foi como tirar com a mão!-, Elizângela Cristina Ferreira Silva, mãe de Gabriel, de 2 anos.
Consultoria: Yechiel Moises Chencinski, pai de Renato e Danilo e pediatra homeopata. Autor de Homeopatia – mais simples do que parece, editor da Revista Doses Mínimas e professor do Curso de Especialização em Homeopatia com Ênfase em Saúde Pública e Estratégias da Associação Saúde da Família. Tel.: (11) 3285-2105, www.doutormoises.com.br.