Bebês

Bebê perfumado?

Os pediatras alertam que o uso de cosméticos pode fazer mal ao bebê. Mesmo aqueles que são indicados para essa fase

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

 

Seu filho mal chegou ao mundo e você já está passando um perfuminho… Ok, pode até ficar mais gostoso, mas os médicos não recomendam o uso de cosméticos em bebês, já que eles ainda não estão com o sistema imunológico desenvolvido e podem ter alergias. E, afinal de contas, eles já são tão cheirosinhos naturalmente!

Anúncio

FECHAR

Se a mãe ou o pai da criança são alérgicos ou apresentaram muitas reações alérgicas quando crianças, esse risco é maior ainda, então, atenção redobrada.

Evite o cheiro forte perto do bebê

Como ele ainda é sensível, até o cheiro do perfume da mãe pode desencadear em processos alérgicos. “A mãe deverá evitar o uso de qualquer perfume se estiver amamentando, pois poderá passar o cheiro do produto para o leite, sendo muitas vezes o motivo de o bebê não aceitá-lo. Caso não esteja amamentando, poderá usar, mas em pequenas quantidades e com o cuidado de não colocar em áreas que entrem em contato com o bebê”, explica o pediatra Marcelo Reibscheid, pai de Bruno e Theo. Evite passar o desodorante perto dele e também o uso de cosméticos pelo menos até quando a criança completar 3 meses. Aromas artificiais, como de produtos de limpeza, podem causar intoxicação. Amaciantes com cheiro também podem causar reação, seja respiratória ou na pele.

O pediatra Marcelo Reibscheid dá a dica: “caso a mãe queira deixar um cheiro agradável na pele do bebê, ela poderá fazer um chá natural com camomila e colocar na água do banho. Isso o deixará com um cheirinho agradável e sem o risco de causar nenhum efeito colateral”.

O que pode acontecer?

Dentre as alergias na pele, pode ser estimulada a dermatite, urticária, lesões ou coceiras em geral. Isso acontece porque a substância entra em contato e o corpo entende como agente invasor e desencadeia a reação para tentar eliminar o perigo. Já em relação à respiração, pode provocar tosse, espirros, coriza, rinites, bronquites, chiado ou até asma. Muito cuidado com o uso do talco, que pode ser inalado pelo bebê. “A alergia não depende de quantidade. A criança que for alérgica vai manifestar de qualquer jeito; uma molécula já é suficiente”, explica o pediatra Sylvio de Barros, pai de Iuri, Bruna e Giovana.

A partir de quando?

A recomendação dos pediatras é que não se use cosméticos no primeiro ano de vida. O ideal é segurar a onda pelo menos até os dois anos de idade. “O adequado é que seja uma decisão da criança”, diz o pediatra Sylvio. Até lá, a chance de uma reação é menor, pois o sistema imunológico estará mais eficiente.

Caso seja observada alguma reação, a recomendação é de que a criança seja afastada de tudo que pode fazer mal, como bichos de pelúcia e aromas estranhos. Consulte sempre o pediatra.

Consultoria: Sylvio Renan Monteiro de Barros, pediatra da MBA Pediatria (http://www.mbapediatria.com.br/) e autor do livro “Seu bebê em perguntas e respostas – Do nascimento aos 12 meses”, é pai de Iuri, Bruna e Giovana; Marcelo Reibscheid, pediatra do Hospital e Maternidade São Luiz, criador do portal Pediatria em Foco (www.pediatriaemfoco.com.br), pai de Bruno e Theo.