Gravidez

Saiba como reorganizar sua vida financeira depois da gravidez

Não é impossível! Com organização e alguns cálculos, você pode controlar a sua conta sem deixar de comprar o que seu filho precisa e ainda fazer o que gosta

Carolina Piscina

Carolina Piscina ,filha de Ana Maria e Osvaldo

finanças

Quando a gente descobre que vai ter um bebê, planejado ou não, as despesas chegam na mesma proporção da mudança que sua vida vai ter: coisas das quais você nem fazia ideia que ia precisar de repente começam a parecer indispensáveis e o orçamento da casa começa a apertar. É normal, com tantas despesas novas, sua vida financeira sofrer uma turbulência, mas é possível voltar a conseguir administrar bem seu dinheiro.

O Projeto Mamãe te Apoio foi criado pela coach e psicóloga Aline Gomes, mãe de Maitê e Luna, com o objetivo de ajudar as mães a se reinserirem no mercado de trabalho, se dividirem entre marido e amigas e, principalmente terem tempo para si mesmas após o nascimento dos filhos. Ela também dá dicas preciosas de como controlar as finanças para não faltar dinheiro no final do mês:

Anúncio

FECHAR
  1. Custos fantasmas

Esses gastos são aqueles que normalmente não incluímos nas despesas do mês. Sabemos quanto gastaremos no aluguel, luz, água, escola, etc. Mas aquela pipoca no final de semana ou o cafézinho depois do almoço não entram nessa conta e isso não pode acontecer. “Quando as mães se dedicam a registrar os custos fantasmas, se surpreendem e entendem o motivo do dinheiro não render no final do mês”, explica Aline Gomes. Todo gasto precisa entrar na conta!

  1. Investimentos

É importante dedicar parte do salário para aplicar em algo. Esse valor não deve afetar o pagamento das contas. Ter um montante guardado faz bem também para a saúde emocional, não só a financeira. Quando a gente sabe que tem aquele dinheirinho guardado, ficamos mais confiantes e seguros.

  1. Previna-se

Quando você está esperando a chegada de um bebê, você deve se planejar. Não adianta muito você começar a controlar os gastos na hora em que ele nasce. Comece a separar uma porcentagem do salário durante a gestação, afinal, fraldas, roupas, remédios, vacinas (e por aí vai) não são baratos.

  1. Converse

Sabe aquela sua amiga que tem uma situação financeira parecida com a sua e teve filho? Fale com ela. Pergunte como ela planejou os gastos e fez o salário render, a experiência dos outros pode ajudar muito nessa hora.

  1. Não se esqueça de você

Às vezes compramos mais com a emoção do que com a razão, isso acontece com todo mundo (inclusive, as compras por impulso são o que mais precisamos evitar). Mas também não significa que devemos parar de comprar. Aline Gomes explica: “É importante ter um equilíbrio. Destinar um percentual do dinheiro para o filho, mas sempre reservar um valor para o lazer do casal (ou do pai ou da mãe)”.

Se você quiser mais informações sobre o projeto, clique aqui ((www.mamaeteapoio.com.br))

Consultoria: Aline Gomes, formada em Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching e consultora do DISC, metodologia que possibilita a análise comportamental das pessoas a partir de quatro fatores: Dominância (D), Influência (I), Estabilidade (S), Conformidade (C).