Pais

Proibido para crianças: Privacidade é muito importante para o casal

Seu filho não precisa saber o que acontece por trás da porta do quarto

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

dia do sexo

(Foto: Shutterstock)

Ficar sozinha com seu parceiro. Quando foi a última vez que você realmente conseguiu fazer isso? Se hoje você é mãe de um filho muito pequeno, talvez os momentos a dois estejam realmente de lado. A gente sabe que não tem como ser diferente durante um tempo, mas é preciso pensar na preservação da privacidade com seu companheiro a médio e longo prazo.

Isso não tem muito a ver com sexo, mas também com quaisquer outros momentos de intimidade que não incluam outras pessoas além de vocês dois. Há, no entanto, uma diferenciação a fazer. Com um bebê em casa, o que acontece não é exatamente uma perda de privacidade, já que ele não tem consciência do que está acontecendo e precisa de cuidados quase em tempo integral.

“O máximo que vai acontecer é um choro no meio do ato. Não é perda de privacidade, neste caso, mas de oportunidade e intimidade”, explica Cátia Rodrigues, doutora em psicologia, mãe de Isabela. Quando a criança cresce e desenvolve mais independência, aí sim a privacidade pode ficar comprometida. O que, naturalmente, interfere no relacionamento dos pais.

Anúncio

FECHAR

Se deixar, os filhos querem entrar até no banheiro com você. Dormir na sua cama, então, nem se fala. “Todos os filhos fazem isso. Somos nós, os adultos, que temos que direcionar”, diz a psicóloga. Ou seja, o cuidado da intimidade depende muito mais do adulto do que da criança. Algumas são um pouco mais insistentes e os pais, quando estão exaustos, acabam cedendo. Aí correm o risco de o filho ir se apropriando do espaço e a vida sexual do casal acabar ou ficar enfraquecida.

Segundo Débora Pádua, especialista em sexualidade, mãe de Theo e Lucca, é normal os pais perderem a privacidade quando os filhos chegam. O que não é normal é achar que isso tem que ser assim sempre. “Cabe aos pais lembrar que eles não são só pais. Isso é o principal”, argumenta.

A médio e longo prazo, focar nos filhos e acabar esquecendo um do outro é perigoso para a relação. “Chega um momento que os dois se olham e não sabem mais por que estão juntos. Não pode deixar acontecer de estarem unidos só por causa dos filhos”, diz a especialista. Sem privacidade, a relação tende a enfraquecer. “Existe uma porcentagem grande de casais de cometem esse erro”, completa. Parece óbvio, mas não é: mesmo dentro de casa os pais podem ser um casal.

Os filhos devem compreender, desde cedo, que os pais necessitam de um momento só deles também. De acordo com a especialista em sexualidade, não necessariamente eles precisam saber o que os pais fazem, é claro, mas entender que os pais também precisam ficar sozinhos. É fundamental!

Namorar também pode ser sinônimo apenas de ficar junto e assistir a um filme no quarto, mesmo quando os filhos estão acordados. Para Débora, os adultos geralmente acham que as crianças precisam ser maiores para entender, mas com dois ou três anos já podem começar as conversas sobre o assunto. A chave para lidar com isso é colocar limites. Ensinar que quando a porta está fechada, criança não entra.

É essencial que o filho entenda que é preciso bater na porta e que talvez ele não esteja autorizado a entrar no quarto naquele momento. Tenha paciência na hora de passar isso para seu filho. A gente sabe que para os pequenos, essa noção pode ser mais difícil, já que nem sempre eles entendem por que precisam cumprir esta regra ou acabam esquecendo na empolgação de ir ao quarto dos pais.

Nem precisamos dizer que, por precaução, você deve se lembrar de trancar a porta, certo? Afinal, nenhum expectador é desejado nas ocasiões de intimidade. Se eles baterem à porta e tiverem alguma necessidade que deva ser atendida na hora, o que vocês estavam fazendo fica para depois, mas isso também faz parte. Depois você pensa no que dizer, não é mesmo?

Para preservar

Deve existir uma rotina do casal e não apenas uma rotina familiar, desde coisas simples, como jantar dentro de casa numa sexta ou no sábado, até arrumar alguém que fique com o filho para que o casal continue saindo ao menos uma vez por mês ou a cada 15 dias. Pode ser uma babá, ou, melhor ainda, um familiar como avós e tios. Todos podem colaborar!

Filhos são imprevisíveis e deslizes podem acontecer. Se você passar por um momento constrangedor na sua casa, fique calma. “Chame atenção, mas não fale detalhes. É importante não querer explicar além da conta”, argumenta Débora. A informação sobre tudo que está relacionado à sexualidade precisa ser dada de acordo com o que a cabeça deles está preparada para entender.

Por mais constrangedora que a situação possa ser, o ideal é agir com naturalidade. A psicóloga Cátia Rodrigues afirma que algumas crianças se assustam, outras ficam paradas olhando e outras acham que é brincadeira. “Em geral, a criança não consegue compreender a complexidade do sexo. Tem que explicar que os pais estão se divertindo”. Se a criança ficar assustada, vale explicar que está tudo bem, que ninguém estava machucando o outro e agir normalmente.

Leia também:

Sexo depois do bebê: 7 maneiras para deixar tudo ainda melhor 

Posições sexuais podem determinar o sexo do bebê?

Existe sexo depois da gravidez?