Pais

Procon-RJ investiga hospital que impediu pai de ver parto da filha

Caso os argumentos de defesa não sejam aceitos, instituição será autuada

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

shutterstock_84258409_

Sociedade Portuguesa de Beneficência de Campos dos Goytacazes está sendo investigada pelo Procon-RJ (Foto: Shutterstock)

O Procon-RJ (Autarquia de Proteção e Defesa do Consumidor) abriu uma investigação para cobrar esclarecimentos da maternidade que impediu o pai de acompanhar o nascimento da filha. Segundo a assessoria de imprensa do Procon-RJ, a notificação foi aberta com base nas informações publicadas na imprensa e no material que circulou nas redes sociais.

O caso aconteceu na semana passada, na Sociedade Portuguesa de Beneficência de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, com o estudante de engenharia mecânica Gabriel Alves, de 22 anos. O objetivo da investigação é entender como e por que o pai foi impedido de entrar na sala de parto, bem como entender se há mesmo restrição à presença de acompanhantes nesta maternidade.

Leia também

Anúncio

FECHAR

Três sinais de que é hora de ir para a maternidade

Saiba quais são os exames que seu filho deve realizar na maternidade

44% das mães passaram pelo parto sem acompanhante

O hospital tem 15 dias úteis a partir do momento em que recebeu a notificação para apresentar a defesa, que será avaliada pelo departamento jurídico do órgão. Se o setor jurídico do Procon avaliar que o argumento do hospital não é válido, decide qual vai ser o tipo de punição. Por se tratar de um ato administrativo, o órgão prevê multa como consequência.

Na avaliação do Procon Estadual, a situação fere a dignidade humana do pai, que foi privado de acompanhar o momento do parto, da mãe, que teve negado o direito ao acompanhante, e do próprio bebê, que não pôde ter contato com o pai no instante do nascimento.

Veja abaixo o vídeo publicado pelo pai Gabriel Alves:

Procon autua escola por lista de material abusiva no Maranhão

Entenda o parto humanizado