Pais

É possível ajudar seu filho a exercitar o pensamento crítico desde pequeno

Para desenvolver essa habilidade as crianças precisam praticá-la

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

ABRE_shutterstock_278161865_foto

Muitos colégios permitem que a curiosidade dos alunos paute os temas de suas aulas. Esse método é um dos componentes de um grande conceito educacional chamado pensamento crítico.  “Esse tipo de aprendizagem estimula as crianças a tornarem-se investigadores, o que ajuda a incitar a criatividade e o princípio da inovação”, diz Amy Seely Flint, professor de educação na Universidade do Estado da Georgia, em Atlanta. Os pais também podem encorajar essa capacidade em casa. Leia abaixo como incentivar os seus filhos no dia a dia.

Esquematize estratégias

Anúncio

FECHAR

Você pega no pé do seu filho quando ele não tem certeza sobre qual é a tarefa de casa? Cria um plano se seu filho tem uma festa de aniversário e um jogo de futebol no mesmo dia? Se sim, você não está ajudando.

“Pensadores críticos resolvem os problemas mais facilmente e as crianças nunca conseguirão fazer isso se não tiverem a chance de praticar,” afirma Wilson.

Ao invés de oferecer soluções, pergunte ao seu filho o que ele pensa ser uma boa maneira para resolver o problema. Se ele não souber, encoraje-o a considerar um amigo que poderá passar o modo como o exercício deve ser feito ou a descobrir qual é o tempo para ir do local da festa até o campo de futebol.

Pais revelam quais as 25 pequenas mentiras que contam para os filhos

Por quê?: 8 perguntas comuns que as crianças fazem e como responder

Veja 12 dicas úteis sobre comportamento das crianças

Encontre livros com momentos de apreensão no final 

Histórias com finais ambíguos podem inspirar as crianças a analisarem mais do que outras narrativas que terminam com um final já esperado, diz o Dr. Flint. Leia para o seu filho, e, depois, pergunte se ele consegue identificar pistas na própria narrativa ou nas suas próprias experiências que sugerem o que poderia ter acontecido na história.

Como em uma série, você pode guia-lo também, fazendo-o antecipar sobre o que pode acontecer nos próximos capítulos. Alguns livros que se adequam a esse requisito: “Harry Potter”, “As Crônicas de Nárnia”, “Percy Jackson e os Olimpianos” e “A Escola do Bem e do Mal”.

MIOLO_shutterstock_278161865

Expanda a lógica do pensamento 

Escolas que priorizam o pensamento crítico querem crianças que considerem diferentes pontos de vista. “Eu sempre divido minhas salas do segundo ano em pequenos grupos,” comenta Aimee Brenn, professora em Boston.

“Crianças dessa idade parecem ansiosas por expressarem suas opiniões a frente de poucas pessoas e não de todos. Então, a discussão se torna mais rica.” Ajude seu filho a buscar e ouvir várias opiniões. Procure textos que informem prós e contras de um assunto. E, em reuniões de família e amigos, puxe um assunto relacionável (sobre código de vestuário nas escolas, por exemplo) e sugira que seu filho solicite opiniões.

Discuta notícias

Notícias cotidianas são um caminho natural e simples de engajar seu filho em uma conversa que irá além do “sim” e do “não”, que são as respostas mais comuns nessa idade, afirma Kitty Rotella, diretora de uma escola em Lauderdale.

Visite sites de notícias  e encontre artigos para ler junto com as crianças. “Novos sites sempre levantam muitas questões para nossa família falar e pensar sobre,” diz Heather Marzano, cuja filha, Sophia, é estudante do quarto ano.

Olhe para trás

“Refletir sobre sucessos e falhas é uma boa atitude para construir capacidade de pensar criticamente,” nota Rachel Griffin, diretora de uma escola preparatória em Nova Iorque. Entretanto, ajudar as crianças a serem mais reflexivas requer atenção: Quando seu filho tem um talento, constrói uma torre de Lego, ou reorganiza sua coleção de jogos, sonde-o durante o processo – quando ele ainda puder implementar novas ideias – e depois.

E então pergunte a ele o que funcionou e o que ele desejava que não tivesse feito. Assim esse processo de questionamento ocorrerá naturalmente na escola – e em tempos de apuro.

Você já pode me escutar agora? 5 dicas para fazer o seu filho te ouvir

5 vezes que seu filho vai (ou deveria) enfrentar a frustração