Pais

Como não deixar a birra do seu filho falar mais alto do que você

Saiba o que fazer para colocar limites

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

centro-das-atencoes-1

(Foto: Shutterstock)

Amar, cuidar, proteger e preparar os filhos para o mundo são importantes missões dos pais. Mas essa preparação significa principalmente que devemos ensiná-los. Isso inclui deixá-los saber, desde cedo, que eles não são os reis da casa, nem o centro da vida dos pais, mas uma parte da família, igualmente importante. Se a criança não tem limites claros, pode começar a exercer o papel da pessoa que está no controle da situação.

“Desde o primeiro dia, olhe para seu filho como uma adição à sua família e não como o membro mais importante dela”, aconselha Melinda Blau, jornalista e escritora norte-americana, coautora da série best seller “A Encantadora de Bebês”. Há, sim, um meio do caminho entre ignorar as súplicas de uma criança e permitir que ela se torne o rei ou a rainha do lar.

Necessidade é diferente de birra
Enquanto são muito pequenas, bebês, não fazem birra, apenas mostram suas necessidades. Chorar e gritar, muitas vezes, são as formas de demonstrar que elas precisam de algo e devem ser atendidos. Os comportamentos de birra começam a ocorrer conforme as crianças percebem que têm vontades próprias e dão os primeiros passos rumo à sua independência. E, mais ainda, quando notam que podem usar isso para conseguir algo dos pais. Afinal, quem nunca presenciou um ataque de birra e não soube o que fazer? Mas calma, satisfazer ou desprezar não são as únicas opções.

Anúncio

FECHAR

Segundo a escritora, quando uma criança que foi criada como o centro das atenções cresce, não sabe como ser feliz ou ter sucesso, pois nunca teve que aprender o autocontrole ou a generosidade e não sabe enxergar mais ninguém que não seja ela mesma. O cansaço atrapalha e muito, podendo fazer com que os pais achem mais fácil se render às vontades dos pequenos do que impor limites.

Quem é que manda?
Com que frequência seu filho ouve a palavra “não”? Você costuma deixar de levá-lo ao supermercado para evitar um ataque de birra no local? Essas questões podem ajudar a perceber se seu filho está crescendo como uma criança mimada.

Estabelecer limites é importante e, não, você não precisa ter medo disso. Experimentar a frustração faz parte da vida e é importante para o desenvolvimento. A manha ou a birra em si não fazem uma criança autoritária. Nestas horas, é preciso firmeza para mostrar que é você quem está no comando da situação.

Não negocie
Quando disser “não”, você pode explicar o motivo da negativa, mas não permita negociação quando não há espaço para isso. É importante também que você não ofereça recompensas em troca do bom comportamento. Deixe que seu filho se acalme para que vocês conversem melhor, mas não crie o costume de trocar favores em nome do bom comportamento. Se não quiser que seu filho grite ou aja de forma ríspida com as outras pessoas, não faça isso com ele também. Afinal, as crianças costumam agir por imitação boa parte do tempo.

A velha culpa
A tarefa de criar filhos não é fácil e nós cometemos, sim, vários erros. Educação requer paciência e persistência, é um projeto que exige tempo. A relação de vocês precisa ser desenvolvida e é preciso fazer uma análise para ver se a falta de tempo está dificultando os resultados. Mas se culpar por não sair tudo da maneira que você planejou não ajuda ninguém.

*Por Rafaela Carrilho, filha de Joana e Alfredo

Leia também: 

Como acabar com a birra em 4 passos

Os terríveis 2 anos: saiba o que esperar da fase da birra

5 dicas para acabar com um ataque de birra em público

Pais&Filhos TV