Notícias

Nos últimos cinco anos, 25 virgens se tornaram mães no Reino Unido

Elas não encontraram o homem certo para participar da concepção, mas ainda sim queriam ser mães naquele momento

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

fertilização

Pelo menos 25 mulheres virgens tiveram filhos no reino Unidos nos últimos cinco anos. Não, a histórias dessas mulheres não tem nada a ver com o Espírito Santo, elas são todas heterossexuais e passaram por inseminações artificiais para engravidar. “Algumas dessas mulheres preferem esperar para fazer sexo em um relacionamento especial”, disse a conselheira de fertilização e pesquisadora Tracey Sainsbury, ao jornal britânico Daily Mail.

Cada uma dessas mulheres gastou 5 mil libras (mais de R$ 30 mil) para fazer o tratamento. A diretora da clínica Care Fertility, Maha Ragunath declarou que essas mulheres equivalem a quase 10% de suas pacientes.  “O número de mulheres solteiras a que eu atendo dobrou na última década. Muitas delas são jovens, têm por volta de 20 anos, às vezes, estudam ou têm trabalhos de meio período, e, frequentemente, vivem com os pais, diferente do que acontece com as mulheres que focam na carreira”, declarou.

Anúncio

FECHAR

De acordo com a médica, a respostas das mulheres virgens que vão buscar o tratamento é sempre parecida: “Elas se sentem preparadas para ter uma criança e não querem ter que esperar até o parceiro certo aparecer. Uma pequena porcentagem dessas mulheres nunca esteve em um relacionamento, nem teve relações sexuais. Elas estão extremamente felizes em seguir em frente sozinhas e não se importam com as implicações que isso pode ter para a criança, nem para elas, quando começarem um relacionamento”, diz a especialista.

Mas a decisão dessas mulheres causou polêmica entre os mais religiosos, que usaram a internet para mostrar sua indignação com a escolha dessas mulheres. “O que são crianças para essas mulheres? Bichos de pelúcia para colocar na prateleira? A mensagem da natureza é que homem e mulher tenham filhos. Fico triste por termos distorcido isso”, disse Josephine Quintavalle, da Comissão de Ética Reprodutiva do Reino Unido.