Notícias

Não força, mas oferece

Raquel, mãe de Lincoln, não força a comer. Mas oferece e apresenta novos alimentos

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Até uns dois anos e quatro meses, o Lincoln não me deu trabalho pra comer. Até frutas que são atípicas do gosto comum, como ameixa e pêssego, ele comia e adorava, sem que precisasse misturar em nada. Na hora da papinha, ‘batia uma pratada’, sem deixar nenhum grão pra trás. Muitas vezes, dava até impressão de que repetiria a ‘dose’. 

Contudo, de uns cinco meses pra cá, tudo mudou! Seu apetite parece ser escasso e suas preferências alimentícias mudaram bastante. Eu pensei que não passaria por isso, pelo fato de quase nunca ele negar nenhum alimento antes, mas vi que eu estava redondamente enganada! 

Para minha sorte e do Lincoln, é claro, ele curte muito feijão e carne moída! Então, os demais alimentos nutritivos, que acho importantíssimos – como beterraba, cenoura, ervilha, lentilha, entre outros – bato no liquidificador os misturo com os que ele gosta para que assim possa comê-los. 

Anúncio

FECHAR

Mesmo assim, o que me assusta é a pequena quantidade que o deixa satisfeito. O que eram vinte colheres de chá se tornou oito desta medida, quando não menos! Dificilmente, quando o Lincoln está ‘inspirado’, come quase tudo, todavia raramente. Até as guloseimas em festas, ele come em porções reduzidas. 

No entanto, eu não forço o meu filho a comer nada, mas hora ou outra ofereço algo nutritivo para ele comer ou tento um suco, uma vitamina de frutas. Se ele me diz que não quer, tudo bem: respeito. Afinal, às vezes, nem a gente está a fim de comer naquele momento, porque está satisfeito. 

O que me alivia é ler os depoimentos de outros pais e saber que eles passam por isso, que estou passando. E, também, as explicações dos pediatras, nutrólogos, bem como informações coletadas pela jornalista Patrícia para o ‘Culpa, não!’ deste mês, com certeza me deixaram mais tranquila. Por essas razões, eu fico em paz ao saber que é só uma fase que passará logo. 

Pra finalizar, tenho algo a dizer aos pais na mesma situação: Não encanem tanto com a alimentação de seus filhos. Podem ter certeza que ele botará a boca no trombone quando estiver com fome. Sejam pacientes. Este será um bom exercício para treinar no momento!