Notícias

Médicos americanos ajustam a definição de “parto a termo”

Somente bebês nascidos entre a 39ª e 41ª semanas tiveram o tempo necessário para melhor desenvolvimento

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

A Universidade Americana de Obstetrícia e Ginecologia está ajustando a definição sobre o parto a termo para entender melhor este período, trazer informações aos pais – e equipar seus hospitais de acordo com as necessidades dos bebês.

Agora, os médicos não consideram mais como “iguais” os bebês nascidos entre a 37ª e a 42ª semana de gestação.

Anúncio

FECHAR

Os bebês nascidos entre a 37ª e a 39ª semana de gravidez serão considerados como early terms, já aqueles nascidos depois da 42ª semana são postterm. Bebês a termo serão considerados apenas aqueles nascidos entre 39ª e 41ª semana.

A OMS classifica a 37ª semana como limite de prematuridade, que não se comportam como os que nascem depois disso. Eles têm mais problemas respiratórios, por exemplo (no Brasil, mesmo alguns nascidos na 38ª semana recebem esta classificação).

Diferenças

Pesquisadores apontaram algumas diferenças entre os bebês nascidos entre as últimas semanas de gestação. Aqueles nascidos antes da 39ª não são tão desenvolvidos quanto os nascidos depois desse período. Por exemplo, crianças nascidas depois da 39ª semana têm mais problemas de respiração, audição e aprendizado. Isto porque o cérebro se desenvolve em um terço entre a 35ª e a 39ª semana, de acordo com a Universidade Americana de Obstetrícia e Ginecologia.

 

No Brasil

Essa classificação não é tão recente, já é uma conversa entre médicos de todo o mundo há pelo menos dois anos, segundo o médico Paulo Martin Nowak, membro da diretoria da SOGESP (Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo).

Por causa da alta taxa de cesárea no Brasil, um movimento iniciado pelos médicos neonatologistas tem recomendado que o parto seja feito depois da 39ª semana. Antes disso, o obstetra deve assinar uma justificativa para o parto antes da hora. “A 39ª semana é esperada exatamente porque os bebês nascidos nesse período evoluem melhor que aqueles nascidos antes disso. Além disso, consideramos ‘margem de erro’ que existe no tempo gestacional que pode vir da contagem pela menstruação e pelo tempo do primeiro ultrassom realizado”, explica. Os médicos em São Paulo já respeitam a recomendação.

A tendência é que a nova classificação americana venha ao país, mas por aqui, já são considerados pós-termo aqueles nascidos depois da 42ª semana e a termo aqueles nascidos entre a 39ª e a 41ª semana. “Toda essa divisão no fim das contas é dividir entre os problemas que podem ocorrer depois do parto. Os riscos pós-natais”, finaliza.

 

Consultoria: Dr. Paulo Martin Nowak, futuro pai da Sofia, membro da diretoria da SOGESP