Criança

Mais pais evitam vacinar seus filhos atualmente do que há 10 anos

Além da rejeição à vacina, pais têm atrasado o calendário de vacinação

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

vacinação

(Foto: Shutterstock)

Quando eu tive a minha primeira filha, oito anos atrás, me lembro de olhar para o seu pequenino corpo e pensar como eu poderia seguir o calendário e aplicar as diversas vacinas recomendadas pelo pediatra dela.

Em outros tempos, ainda não havia muita informação disponível e não se sabia as consequências de evitar aplicar vacinas como as de sarampo ou coqueluche. Graças em grande parte à Internet, nós hoje sabemos que quando não vacinamos os nossos filhos, eles ficam vulneráveis e expostos a contrair doenças fatais. É raro hoje em dia encontrar alguém com uma doença dessas.

Ainda hoje, mesmo com a grande quantidade de informações sobre os benefícios de se seguir o calendário de vacinação, e das consequências de se partir o coração para quem não segue, não é possível convencer todos os pais da importância de imunizar suas crianças. Um novo estudo “Atraso de Vacinas, Rejeição, e Pacientes Suscetíveis: Uma pesquisa para Pediatras”, acaba de ser publicado na “Pediatrics” com a informação de que mais pais estão evitando vacinar seus filhos do que há 10 anos.

Anúncio

FECHAR

Para este estudo, pesquisadores observaram pelo menos 629 prontuários médicos entre 2006 e 2013. Nas amostras aleatórias da Academia Americana de Pediatras (AAP), eles descobriram que 87% se recusaram a vacinar em 2013, em comparação com 75% em 2006.

Os pediatras também  notam que as razões pelas quais os pais evitam dar a vacina são diferentes dos pais que atrasam o calendário de vacinação. O atraso na imunização tem a ver com os pais não quererem que as crianças passem pelo desconforto da vacina, ou por receio de sobrecarregar seus pequenos corpos com tanta imunização (isso soa familiar!).

As recusas às vacinas, entretanto, são resultado frequentemente de pais que acreditam que a imunização é desnecessária. Pensar que vacinar é inútil é um motivo de rejeição que aumentou 10% durante o tempo estudado.