Notícias

Estados Unidos querem banir a gordura trans dos alimentos até 2018

Um dos países campeões em obesidade infantil, os EUA agora querem proibir o ingrediente em alimentos processados

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

EUA aprova fim da gordura trans

Pipoca de microondas, salgadinho, muffins, biscoitos recheados, pizza, sorvete de massa… Todas essas delícias, que as crianças adoram, têm um ingrediente em comum que pode fazer muito mal para a saúde: a gordura trans. Mas afinal, para que serve a gordura trans? Ela é usada em diversos alimentos industrializados para evitar que os produtos estraguem com facilidade e para que eles fiquem mais cremosos. Para ser mais exato, 37% dos alimentos recebem uma boa quantia desse ingrediente desde a década de 50.

O problema é que a gordura trans também é responsável por vários problemas de saúde: aumento do colesterol ruim, acúmulo de gordura nas artérias e, consequentemente, aumento das chances de ataques cardíacos e outras doenças do coração. Apesar dos Estados Unidos não ser o país com o maior número de obesos em termos absolutos (ele ainda perde para o México), a população infantil obesa triplicou nos últimos 30 anos.

Anúncio

FECHAR

Em termos mundiais, 35% das meninas e 32% dos meninos até 12 anos são obesos. 75% dos pais não reconhecem que os filhos estão acima do peso e precisam se cuidar. Por isso, a agência norte-americana que regula alimentos e medicamentos, Food and Drug Administration (FDA), estabeleceu um prazo de 3 anos para que a indústria de alimentos consiga banir a gordura trans e encontrar um substituto menos nocivo. . “Nós criamos essa determinação com base nas evidências científicas disponíveis e nas pesquisas de especialistas“, afirmou Susan Mayne, diretora do FDA.

Desde 2006, todas as embalagens americanas já trazem a informação de que o alimento contém gordura trans. Com apoio da Organização Mundial da Saúde, paíse4s como Suíça, Dinamarca e Argentina também pretendem banir a gordura trans dos ingredientes usados em alimentos industrializados. No Brasil, ainda não existem regras específicas sobre o assunto.