Notícias

Diretora salva 58 crianças de desastre em Mariana

Alguns moradores conseguiram refúgio em lugares mais altos, mas ninguém do colégio sabia como era grave o que estava acontecendo

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Diretora salva alunos

Eliene com o filho de 1 ano, em um hotel que está recebendo sobreviventes do desastre

Eliene Almeida, diretora de uma escola municipal em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, em Minas Gerais, recebeu a notícia sobre a inundação de lama que destruiu o vilarejo, reuniu as 58 crianças que estudavam no colégio e conseguiu salvá-las. A maioria dos moradores conseguiu correr para lugares mais altos ao saber do que estava acontecendo nas barragens da mineradora Samarco, mas as pessoas que estavam dentro da escola não estavam sabendo que uma muralha de 20 metros de água e lama se aproximava.

Quem avisou Eliene foi seu marido, que chegou na escola correndo e gritando para todo mundo começar a correr. Desesperada, Eliene reuniu todas as crianças, com idades entre 11 e 16 anos, e os orientou para sair do prédio: “Em três minutos todos já estavam fora”, contou a diretora. A inundação matou 2 pessoas e 25 ainda estão desaparecidas, mas os 58 alunos de Eliene sobreviveram.

Da escola, só restou o telhado visível, o resto está debaixo de uma espessa camada de lama e resíduos de minério das barragens. Duarte Junior, o prefeito de Mariana, chamou Eliene de heroína (e ela realmente é!). Eliene diz que não se vê assim: “Qualquer um teria feito o mesmo”. Para ela, foi uma sorte a inundação ter acontecido na parte da tarde, horário em que os alunos mais velhos estão na escola. “Eles conseguem se mover rapidamente”, explicou Eliene.

Anúncio

FECHAR

Outra coisa que ajudou muito foi o tamanho dos portões da escola, que eram grandes o suficiente para todo mundo passar. Eliene se mostrou preocupada com as aulas e espera que uma nova escola seja construída rapidamente. “Você pode construir uma escola nova, mas todo o trabalho que ocorreu naquela escola em Bento, o que significava para a comunidade, foi embora para sempre”, lamentou a diretora.