Notícias

Desabafo

Cristiane Mello, mãe de Juliana insistiu muito mas precisou usar a fórmula para matar a fome de sua pequena

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Cristiane Mello mãe de Juliana participa da campanha Culpa,Não! O tema do mês de Junho é  “Não dou leite comum, dou fórmula”  se você também quiser participar siga a nossa página no Facebook e mande um depoimento sobre o tema do mês para giovanna@revistapaisefilhos.com.br .  

Toda minha preocupação na gravidez era sobre a amamentação, era a única coisa que eu tinha certeza que queria fazer exclusivamente. Só que nem tudo que a gente planeja sai como a gente quer.

Logo que meu leite desceu, como era bem pouquinho, liguei pra minha médica que receitou o Plasil. Já estava usando o Sintocynon receitado ainda na maternidade.

Anúncio

FECHAR

Fiz tudo que me ensinaram: remédios, água quente nos seios, canjica, angu… Eu achava que meu leite era o suficiente. Mas não era. Tentava tirar na bomba, mas saía algumas poucas gotas.

Como passei o primeiro mês na casa dos meus pais, depois de um tarde inteira de choro de bebê e da mãe (no caso eu) insistindo em amamentar, minha mãe me implorou para que eu desse a fórmula para minha bebê. Minha mãe insistia (pela experiência de três filhos) que o choro era de fome.

Fiz o que ela sugeriu e pronto: minha bebê mamou tudo e dormiu. Eu estava deixando minha filha com fome!

Continuei dando o peito + fórmula e chorando seguidamente, até desistir do peito de vez.

Eu choro até hoje com o tema amamentação, pois sei da importância, mas não consegui. Me sinto “culpada” por não ter conseguido. Mas prometo fazer o possível e o impossível no próximo bebê que vier.

Hoje minha filha está com um aninho, super saudável, linda e sapeca!

 

Obrigada por esse espaço para desabafar!