Notícias

Amamentação que dá gosto de ver

Lorena, mãe de Lorenzo, frequentou aulas de aleitamento e conseguiu superar os problemas

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Meu Lorenzo hoje completa um ano e quatro meses, e ainda está mamando. Sei que muitas pessoas julgam por ele ser “grande”, mas eu sei que não mama por alimentação, é uma questão de proteção, manha, mania… rs 

Me recordo das primeiras semanas. Pensei que não conseguiria passar por elas: muito choro e desabafos com a minha genitora. Se não fosse por ela, EU NÃO conseguiria. Madrugadas infinitas, eu não sabia como lidar e o meu filho também. Eram os dois chorando! Ele machucou muito meus seios e isso atrapalhou ainda mais. Então, na segunda semana, comecei a dar leite de lata na mamadeira. Ele, claro, mamava tudo. Eu ficava muito mal por tudo e me sentia péssima como uma nova mãe. Não tive o apoio do meu marido, que no primeiro e segundo mês ficou “longe” de nós, pois se sentiu rejeitado. Me sentia a pior mulher e mãe do mundo, afinal nosso filho era um projeto nosso, que virou só meu. 

 

Anúncio

FECHAR

No meio da segunda semana, procurei uma pediatra que dá aulas de aleitamento e não deu outra: no primeiro dia que fui, chorei como uma criança e servi de exemplo para o grupo durante as semanas que freqüentei. Saí de lá amamentando meu filho e isso não tem dinheiro no mundo que pague, a sensação de alimentar com algo que ele tanto precisa, é maravilhoso. Com os seios ainda machucados, eu conseguia amamentar de modo que não me machucasse e ele ficava muito satisfeito, dava gosto ver… rs 

Aos poucos tudo foi para o lugar. Hoje, meu marido é um pai muito dedicado, aprendendo também! E minha mãe, minha eterna amiga, continua a ser minha melhor opção de desabafos. Numa trajetória ainda curta, porém, de muitos altos e baixos. Ser mãe não é para todas, eu mesma até hoje me pergunto se nasci para ser uma mãe, como a minha foi e é para mim… Nesse momento, o Lorenzo mama e eu me emociono ao ver que cheguei até aqui! Amamentar é tudo de bom e mais um pouco, você pode e ele (a) consegue!