Notícias

A escola foi a melhor opção

Joyce Araújo, mãe de Daniel, podia optar pela babá, pelas avós, mas preferiu a escolinha e está muito feliz com sua escolha

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Joyce Araújo mãe de Daniel  participa da campanha Culpa,Não! O tema do mês de Maio é  “Culpa por deixar a criança na creche”  se você também quiser participar siga a nossa página no Facebook e mande um depoimento sobre o tema do mês para giovanna@revistapaisefilhos.com.br .  

Coloquei o Daniel com 4 meses na escola, meu marido tem uma empresa e precisava de minha ajuda. A decisão de escolinha, babá ou avós não foi difícil, pois, antes mesmo dele nascer eu já havia estudado todas as possibilidades. Se deixar com os avós vão criar no ritmo deles, ficaremos dependentes de família, e ainda teria que escutar o famoso “ se não fosse os avós para ajudar a criar”, então descartei esta possibilidade, tenho as minhas atividades sem ter que dar satisfação de onde venho ou porque estou indo. Mesmo porque o Daniel tem avós dos dois lados, e a questão ciúmes foi considerada e para não agradar um e desagradar outro é melhor manter neutro, deixei para contar com os avós em casos especiais quando o Daniel adoece e é necessário terminar o tratamento dos remédios em casa. E graças a Deus a paz reina..rsrs

Fiquei com uma pessoa para me ajudar uma semana, e me senti sem privacidade, fora que eu já havia escutado minhas amigas falarem que acabam tendo que ir fazer a papinha, algumas trabalham em casa e entre um atendimento e outro vão dar um banho na criança ou fazer dormir, quando a criança não quer comer  faz a baba cortar cinco tipo de frutas até ela aceitar o que quer, enfim ficam mais com a criança do que a babá. Descartei essa possibilidade sabendo que eu não ia conseguir me desligar de casa sabendo que meu filho esta lá.

Anúncio

FECHAR

Eu não tenho disciplina para trabalhar em casa, tenho que trabalhar fora,  então babá em casa não seria uma boa, mesmo porque é difícil achar alguém que tenha didática para ensinar a criança a desenvolver, o Daniel foi para escola e foi a melhor coisa, pesquisei as escolinhas da região e escolhi uma por período integral, me senti culpada com as adaptações das comidas, mas a escola ajudou muito, pois elas davam preferência para a fruta que ele gostava sempre pronta caso ele rejeitasse algo novo mas, sempre insistiam em oferecer coisas novas.

No final do dia na agenda dele elas escreviam, se ele comeu e o que aconteceu de novo.Hoje o Daniel come qualquer fruta que der com o maior gosto, apenas sigo os horários da escola no fim de semana em relação ao horário das comidas, o mais o Daniel dá conta. Outro ponto positivo é que o Daniel ama livros mostro livros com figuras e ele fica prestando atenção,  se eu cantar musica ele faz os movimentos com as mãos, bate palma, conforme o que diz a musica.

O Daniel chega em casa nossa atenção é só dele, não existe trabalho, não tem que fazer comida nem arrumar casa ou resolver algum problema pendente, nada, somos só dele! Quando o Daniel adoece ou não esta bem, fica febril de repente a escola liga para perguntar se aconteceu algo de diferente no fim de semana e fala sobre o estado do Daniel, no começo ele ficava bastante gripado, hoje não mais!

A escola para mim foi a melhor opção, hoje o Daniel tem 10 meses e sei que posso contar com a escola para o desenvolvimento! Sentimento de culpa sempre vai haver , mas deve ser sempre analisado o bem estar de todos na família, no dia-a-dia, no trabalho e pessoal, para quando estarmos juntos dar o melhor de si, é o que eu e meu marido tentamos fazer!