Mais

Quando o peito vira mordedor

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos


"Meu filho já me mordeu durante o sono. dói demais, Mesmo assim, nunca pensei em desmamá-lo. só explico para ele que dói e Acho que ele entende porque as mordidas diminuíram".
Luzinete R. C. Carvalho, mãe de Francisco

Apenas de 15% a 20% dos bebês mordem o seio. Não precisa desmamar seu filho por isso. a gente ensina como se livrar das dentadas

Você está com o seu bebê, naquele momento íntimo e feliz e de repente… Nhac! Ele morde o peito ou o mamilo provocando, no mínimo, um grande dor e um belo ai!. Não são todos os bebês que mordem, pelo contrário: eles são minoria, cerca de 15% ou 20%.

Anúncio

FECHAR

Geralmente a mordida é motivada por algum desconforto do bebê, o mais comum é a coceira causada pelo surgimento dos dentes, que acontece por volta dos seis meses, às vezes um pouco antes, outras bem depois.

Mas também podem vir em consequência de um resfriado ou até uma infecção de ouvido, que dificultam a capacidade de deglutição da criança. Neste caso, o jeito é segurar o bebê mais próximo do peito. Assim, o leite chega mais facilmente a ele, e o processo fica menos doloroso para a mãe. Outro fator importante é a pega, o jeito como o bebê mama. Se a pega estiver correta o risco de mordidas é quase zero. Isso porque, na pega adequada, a língua do bebê cobre os dentes inferiores e o queixo dele fica pressionado sobre o peito, impedindo a mordida.

O bebê pode estar motivado por outro tipo de incômodo, o chamado ruído, que pode ser a movimentação de outras pessoas na mesma sala em que está acontecendo a mamada, o barulho da TV… Ele vai tentar ver o que está acontecendo ao seu redor e vai levar o mamilo junto, tombando a cabeça para trás. O que a mãe pode fazer nessas situações é se isolar e buscar um lugar calmo, fazendo valer a intimidade e paz que o momento da amamentação pede. Mãe e bebê têm que estar na mesma sintonia, curtindo o momento, sem distrações.

Do mesmo jeito que o bebê se dispersa com ruídos externos, a mãe também pode se desconcentrar e comprometer o processo. E se a criança for um pouco mais velha ela pode usar a mordida para chamar a atenção dela. Se ela estiver conectada ao filho vai perceber até a iminência da mordida, como a mudança no padrão da pega, inquietação durante a mamada ou até uma mordida leve que pode vir quando o bebê está adormecendo e fecha a boca sem se dar conta. Caso isso aconteça, afaste-o do peito e substitua o mamilo pelo dedo.

Para que as mordidas não virem rotina é preciso que a mãe tome uma posição firme. O bebê já entende comandos como o “não”, dito na hora da mordida. Além disso, tire o peito gentilmente enquanto repreende a criança e mude a posição dela no colo. É importante que o bebê entenda que a mordida não deve ser encarada como uma brincadeira. O morder é uma fase que passa sem que seja necessário fazer o desmame. Se você notar desconforto pelo nascimento dos dentes, ofereça um mordedor geladinho antes de cada mamada; isso vai anestesiar a gengiva e diminuir a coceira.

Se não deu para evitar a mordida, o jeito é tratar a lesão. Caso seja superficial, o leite materno dá conta do recado, é só passar um pouco no mamilo e aréola e deixar secar por 10 a 15 minutos à luz do sol. Se a coisa foi mais feia, uma boa opção é passar pomada à base de lanolina na área afetada e dar uma folga de um dia para o peito machucado. Existem pomadas que podem ser usadas durante a amamentação. Fique de olho no seu filho e continue amamentando.  

Proteja-se


Mordedor refrescante
É só colocar na geladeira por alguns minutos e ele anestesia a gengiva do bebê.
Nuk, R$ 23.
SAC 0800 707 4435 / www.nuk.com.br


Pomada
À base de lanolina, combate rachaduras e hidrata o seio. Não precisa retirar para amamentar.
Lansinoh, R$ 56.
À venda em www.drogaraia.com.br

Consultoria: Desirée de Freitas Valle Volkmer, mãe de Nathalia e Jordana, coordenadora médica da UTI Neonatal do Hospital Moinhos de Vento, www.bebemoinhos.org.br 
Marlene Roque Assumpção, mãe de Lia e Daniel, pediatra do banco de leite do Instituto Fernandes Figueira, www.iff.fiocruz.br

Pais&Filhos TV