Mais

Nos bastidores do “Mãe Coruja”

Tem série nova no ar! Conheça a família que aparece no 1° episódio

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Na estreia da série “Mãe Coruja”, nossa equipe foi à casa de Maria Mazzucchelli descobrir como ela e sua filha Flora, 8 anos, se entendem na hora de escolher uma roupa para a menina vestir. Como equilibrar o bom senso da mãe com o estilo e a personalidade da filha? (Confira o vídeo no fim da página).

Quem é Maria Mazzucchelli

Mãe de Flora, 8 anos, e do Pedro, 9 anos, Maria Mazzucchelli é empresária, sócia e diretora criativa da Parangolé, loja de produtos e artigos para festas.

Anúncio

FECHAR

Formada em Artes Plásticas e pós-graduada em Design, Maria conta que a ideia de criar a Parangolé surgiu há cinco anos quando ela e a sócia Raquil decidiram por em prática uma ideia que tinham em mente há tempos.

Na época, Maria mantinha um escritório de design e Raquil era produtora gráfica, e ambas tinham filhos pequenos. Pensaram em fazer algo diferente e inovador no mercado geral de festas e surgiu a Parangolé. “No começo, a gente não sabia que ia mudar de profissão. Mas com o tempo viramos mais empresária do que qualquer outra coisa”, conta Maria.

Rotina filhos e trabalho

Apesar de Maria começar a trabalhar às 10 da manhã no escritório da Parangolé, sua rotina começa muito mais cedo. Ela o marido se revezam no papel de motorista dos filhos nas atividades fora da escola.

Dois dias da semana, ela e os dois filhos vão juntos ao clube logo de manhã. Enquanto o Pedro faz futebol, Flora faz balé, e ela aproveita para fazer sua indispensável ginástica. “É fundamental para mim. Me relaxa e me tira dessa coisa de ficar preocupada o dia inteiro com o trabalho e com as coisas de casa”, conta. Depois da ginástica, ela voa baixo para o escritório.

Para manter tudo organizado, os filhos contribuem muito com as tarefas de casa. “Eu faço eles participarem de tarefas simples, como colocar a mesa, que é para eles verem que as coisas dão trabalho.  Não dá para eles ficarem sentados enquanto eu fico me matando para dar conta de tudo”, explica. Isso aí, Maria: educação na prática e pelo exemplo!