Mais

Birra: endureça sem perder a ternura

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Por Naiara Araújo, filha de Luiz Augusto e Dione

A gente sabe:  quando o filho vem com aquele choro sofrido e cheio de manha, a maior tentação é comprar logo aquele brinquedo, o pirulito antes do jantar, trocar o canal para o desenho e deixar o seu seriado pra lá.

Mas, para que a criança se desenvolva e seja capaz de negociar as suas próprias vontades, sem manipular ou fazer chantagem, é preciso ser firme. E você vai fazer isso pelo mesmo motivo que fica com o coração doído: porque você o ama.

Anúncio

FECHAR

Segundo Natércia Tiba, filha de Içami e Maria Natércia, que acaba de lançar o livro Mulher Sem Script (Ed. Integrare), essa firmeza (depois você chora no banheiro) é muito importante para formação da criança. Não sinta culpa. É preciso ensinar a seu filho que não é possível ter tudo na vida. Ele não vai gostar, claro.  “A birra é mais intensa entre 1 ano e meio e 4 anos, porque a criança ainda não sabe defender seus argumentos verbalmente, então ela expressão seu desejo dessa maneira”, diz.

A birra acontece na infância, mas se não for controlada a tempo, pode interferir na formação psicológica, sim.  Para Natércia, a criança birrenta que sempre consegue seu objetivo pode não desenvolver a resiliência, que é a capacidade do indivíduo de se adaptar as mudanças e conseguir passar por situações frustrantes sem sofrer danos emocionais. E não é isso que a gente quer. Dói mais em você do que neles, pode ter certeza.

5 razões para contar até 10 antes de ceder a um ataque de birra

1. A birra faz parte da formação da criança, mas quem decide se ela vai fazer parte do dia a dia são os pais. É necessário ser firme na hora de dizer não.

2. Se a família cede quando a criança chora ou se joga no chão, esse tipo de comportamento vai continuar, e a própria criança vai ter muita dificuldade para lidar com qualquer tipo de negação.

3. Os pais precisam lidar com os olhares dos outros na hora da birra, se o ataque acontece em público. Não é certo fazer as vontades do filho só para acabar logo com o escândalo e evitar o vexame. Melhor, encarar alguns olhares recriminadores e se manter firme no propósito de educar o filho.

4. Controlar a birra agora pode ser difícil, mas ajuda a prevenir problemas futuros. Se você faz todas as vontades, seu filho pode desenvolver um comportamento rebelde ou depressivo mais tarde.

5. Filho é para o mundo. Ele pode ser o centro das atenções em casa, mas não será na escola, na faculdade, no trabalho. Se a birra não é controlada cedo, situações normais como baixo rendimento na escola, rejeição na faculdade ou demissão podem causar uma desestruturação emocional.

Pais&Filhos TV