Recém-Nascido

Décimo quinto dia

No fim da segunda semana de vida, às vezes até antes, você pode ser apresentada às cólicas intestinais. Pode aparecer em alguns bebês e em outros não e, em geral, duram até os 3 meses. A dorzinha bate e logo vem o choro forte: o bebê fica vermelhinho e encolhe as pernas. É preciso que a mãe e o pai não se angustiem, porque se trata de uma adaptação do trato digestivo sem nenhuma implicação no futuro da criança. Portanto, nem pensar em receitar analgésico por conta própria ao filhote. Na dúvida, ligue para o pediatra, sempre, sem medo e sem vergonha.

Fazer massagem na barriguinha, colocar a criança de bruços sobre o seu colo, recorrer a uma bolsa de água quente pode ajudar, embora, infelizmente, muitas vezes não resolva. Tranqüilize-se: doenças graves não são manifestadas assim, mas por uma leve gemência. Se você trocou a fralda, deu de mamar e ele já dormiu bastante, recorra a sua pele, seu colo, sua voz. Ande com ele, cante uma música suave, embale. Um shhhhhhhhhhhhhhhh… contínuo no ouvido dele hipnotiza, relaxa… Se tudo der errado, ar livre faz milagre.

Uma volta no quarteirão pode fazer bem a você e a ele. Não fique péssima se sentir uma vontade louca de sumir por uns minutos se até isso falhar. Peça ajuda a seu marido, mãe, irmã, babá, enquanto você toma um banho e se desliga um pouco. Mãe também é gente, nunca se esqueça disso. Algumas vezes a cólica está relacionada também com o que a mãe ingeriu. Perceba se seu filho fica mais irritado depois que você come algum alimento específico, como leite de vaca, chocolate, algumas verduras. Tirá-los temporariamente da dieta pode ajudar.

Anúncio

FECHAR