Gravidez

Tudo ao mesmo tempo agora

Vivian estava grávida de três meses quando apareceu uma oportunidade

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Fotos : Nina Bedacchi, filha de Wang e Ronaldo

Além de dar aulas e consultoria, a nutricionista Vivian Zollar é dona de um restaurante, trabalha até 16 horas por dia, às vezes nos fins de semana, cuida de três cachorros, tem passarinho, e está no meio de uma reforma em casa. Nada disso parece abalar sua tranquilidade. Vivian não pensou em ficar sem trabalhar, mesmo após o nascimento do filho, Caio, hoje com 6 meses. Ela e o marido, Gabriel, estão juntos há 13 anos, 12 dos quais como namorados, seis morando juntos. “No nosso 12º aniversário de namoro, resolvemos fazer uma festa que acabou virando casamento”. Nessa época, Caio foi concebido, e o casal resolveu reformar a casa para receber o filho.

Anúncio

FECHAR

Com sete meses e meio de gestação, a bolsa rompeu, e ela precisou ficar quinze dias de repouso. “Foi um choque. Não estava habituada a ficar parada”. A imobilidade era importante para garantir que Caio ficasse mais algumas semanas na barriga. Mesmo de cama, o celular não parava e ela ia tocando o negócio de dentro do hospital.

Com a diminuição no nível do líquido amniótico, o sonho do parto normal foi descartado, e Caio nasceu de cesariana, bem, tranquilo como a mãe. O recém-nascido precisou ficar alguns dias na UTI, recebendo alimento por uma sonda. Vivian contou com a ajuda do banco de leite para conseguir amamentar, outro sonho do qual ela não queria abrir mão. “Ele saiu do hospital recebendo um complemento e demorou um pouco para aprender a mamar. Foi o momento mais difícil. Como nutricionista, sabia da importância da amamentação e me senti mal quando achei que não ia conseguir. Foi um momento em que realmente a culpa bateu”, conta.

Quinze dias depois do parto, Vivian já pegava no batente. Para conseguir se afastar do filho ainda tão pequeno, ela conta com a ajuda da família. A avó paterna e a bisavó de Caio cuidam do menino durante a semana e, nos fins de semana, é a vez da família dela. “Ele é um bebê muito calmo, as pessoas brigam para ficar com ele.” Sobre a culpa por trabalhar tanto, ela diz: “Quando penso em tudo que já passei, lembro que hoje muito do meu esforço renderá frutos para ele”.

Jogo rápido

Gravidez agitada
“Tinha planos de engravidar, mas um pouco mais adiante. A chegada do Caio foi uma surpresa muito boa. A gravidez foi tranquila, sem intercorrências de saúde, mas muito agitada, cheia de novidades.”

Amamentação
“Não tive aqueles problemas típicos, como rachadura no seio. No começo, eu precisava acordá-lo para mamar. Mesmo depois de voltar a trabalhar, mantive o aleitamento de manhã e à noite. Quando eu não estava, ele tomava fórmula. Fomos bem até cinco meses, agora já está mais difícil.”

Parto
“Gostaria de ter parto normal. Era meu sonho. Mas as condições não foram favoráveis por causa da perda de líquido, e fizemos a opção pela cesariana.”

Volta ao trabalho
“Quando ele tinha duas semanas de vida fui voltando ao poucos. Quando ele já tinha um
mês e meio voltei com força total. Foi bem difícil no começo se afastar de um ser tão pequeno, mas
a gente aprende a lidar.”

Participe da nossa campanha contra a culpa:
Entre na nossa página no Facebook e envie um depoimento sobre o tema do mês: você pode ser uma das 10 mães selecionadas para participar de um brunch na redação da revista. Depois, uma das 10 é selecionada para participar da seção Família É Tudo na revista e gravar um depoimento em vídeo. Neste mês, o tema é culpa por causa da cesárea.