Gravidez

Tapa no visual

Nos primeiros três meses da gravidez, nada de pintar os cabelos ou fazer progressiva, mas depois desse período já dá pra dar uns retoques nos fios

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Uma das questões que costumam incomodar muitas grávidas está literalmente na cabeça. Pode parecer uma coisa boba, sem importância, mas não é. Quem tem cabelos brancos, mesmo que poucos, sabe a tortura que é se olhar no espelho e ver aqueles fios mais do que indesejáveis brotarem. Ou testemunhar o crescimento daqueles crespos – dos quais nem lembrava mais da existência – e não poder domá-los com uma escova progressiva. Gravidez confirmada, alegria total, mas… Pintar ou não os cabelos, escová-los ou não, eis as questões.

Dermatologistas e obstetras são unânimes ao proibir o uso de produtos químicos nos primeiros três meses de gestação. “Sabemos que tinturas e alisantes têm uma grande quantidade de substâncias tóxicas, como amônia, benzeno, formol e chumbo. E o couro cabeludo pode absorvê-las. Há ainda um outro risco: inalar esses produtos. Por isso, costumo contraindicar qualquer procedimento químico no primeiro trimestre de gravidez”, diz a dermatologista Kátia Roithmann, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, e mãe do Eduardo e da Gabriela. 

Até 2011, não havia pesquisas que ligassem a malformação dos fetos aos compostos químicos, mas um estudo feito pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) naquele ano demonstrou uma maior incidência de leucemia em crianças cujas mães usaram tintura no cabelo durante a gestação. Um sinal de alerta. “A dificuldade de se provar a associação entre crianças malformadas e o uso de fármacos e cosméticos é que ninguém fará testes de segurança em grávidas”, salienta Kátia. Na dúvida, melhor dar férias às tinturas e químicos em geral. 

Anúncio

FECHAR

O ideal é que, antes de engravidar, a mulher faça exames de rotina e inicie uma suplementação com ácido fólico (também conhecido como vitamina B9, necessária para a formação de proteínas estruturais e hemoglobina), que comprovadamente reduz o risco de malformação fetal. “Os três primeiros meses são delicados porque, além de a maioria dos abortos espontâneos ocorrerem nessa fase, é o principal período de formação dos tecidos e órgãos fetais”, afirma o obstetra Márcio Sakita, do Hospital Vitória, em São Paulo, filho de Kazuko e Nassamiti. Nunca é demais lembrar que é essencial também manter uma dieta saudável, praticar alguma atividade física, evitar bebida alcoólica e tabaco e jamais tomar qualquer medicamento sem orientação médica.

Plano B

A partir do segundo trimestre, as coisas mudam um pouco. Para aquelas grávidas que sofrem com os fios brancos, existem alternativas para cobri-los. “Se for muito importante para a autoestima da gestante, tinturas temporárias, como hennas e tonalizantes, podem ser usadas passados os três meses iniciais, mas com uma frequência baixa, de dois em dois meses”, avisa Kátia. Mas a médica ressalta que é preciso verificar a procedência da henna, por exemplo, porque algumas contêm metais pesados na formulação. “Reflexos, luzes e mechas também podem ser liberados a partir do quarto mês, desde que os descolorantes não entrem em contato com o couro cabeludo. Mas sempre peça a opinião do seu obstetra”, recomenda a dermatologista.

A gravidez muda também a textura dos fios porque há um aumento na produção de hormônios. Algumas mulheres ficam com os cabelos mais finos, mas outras veem os fios ganharam mais volume e brilho. Isso graças ao estrógeno, hormônio feminino que estimula os folículos capilares. Então, a dica é aproveitar os benefícios da natureza humana e manter os cabelos sedosos ao longo dos nove meses. “Faça uma hidratação frequente, adote um corte novo e de fácil manutenção”, sugere Kátia. Afinal, nem é tanto tempo assim pra abrir mão de um retoque a mais.