Gravidez

Planejando o parto

Você não pode controlar cada mínimo detalhe do nascimento do seu filho, mas deixar seus desejos claros ajuda muito

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Parte da sua preparação para o parto vem de suas expectativas sobre como isso deverá acontecer. Talvez, você queira um parto natural, sem anestesia com uma trilha sonora tranquila  – ou talvez você já saiba que prefere tomar anestesia quando estiver com dores intensas. “Discutir seu plano de parto com seu obstetra e família é uma ótima forma de se preparar para a data”, afirma a consultora da revista Parents, Laura Riley, obstetra e ginecologista e autora do livro Você e seu Bebê: Gravidez (sem tradução para o português). “A conversa ajuda a fortalecer sua relação e pode evitar muitos mal entendidos.”

Você já pode começar a pensar em seus planos por volta da 30ª semana de gestação, assim terá tempo suficiente para pontuar todas suas vontades. Mas lembre-se de manter em mente que não importa o quão decidida você se sinta em relação a seus planos, você não pode controlar tudo. Pode ser até difícil acreditar no julgamento do seu médico no grande dia, então esteja preparada para mudar o rumo, se necessário.

Crie um ambiente bom para você

Anúncio

FECHAR

Anote todas suas preferências e vontades para criar um ambiente perfeito para a data, como luz baixa ou uma playlist especial. Mas saiba que alguns de seus desejos podem não ser atendidos devido às regras da maternidade. “Uma vez uma mãe pediu para acender algumas velas e incensos no quarto, o que vai contra a política do hospital”, contou Carole Kramer Arsenault, autora do livro The Baby Nurse Bible.

Discuta sobre anestesia

Durante o trabalho de parto e até mesmo no parto, você pode ser aconselhada a usar alguns medicamentos que aliviarão a dor. Mas se você prefere dar à luz sem anestesia, se prepare para isso e diga ao seu médico, afirma Dr. Riley. Se você quiser uma peridural, também deixe isso claro. Também considere se você preferir tomar um analgésico de curta duração, ele irá aliviar a dor, mas poderá deixar você e o bebê um tanto sonolentos.

Empurre!

Conforme seu quadro for evoluindo, você será examinada e monitorada para que a equipe acompanhe sua dilatação e os batimentos cardíacos do bebê. Avise caso você opte por uma posição que não seja a tradicional, como de cócoras, na banheira ou de lado – sim, há opções de posição do parto. Às vezes é necessário fazer uma episiotomia (um pequeno corte no períneo, região entre a vagina e o ânus) para facilitar a passagem da cabeça do bebê. Caso você prefira por não fazer  discuta isso com seu médico.

Possível cirurgia

Se você fizer uma cesariana por razões médicas, ainda assim pode ter suas preferências. Por exemplo, seu parceiro pode ficar junto com você na sala de parto. Caso você tema que seu obstetra irá te persuadir a fazer a cesariana sem necessidade, é melhor que vocês conversem Maísa a respeito do parto. Se você não estiver dilatando o suficiente ou se o bebê parou de descer, ou está com risco de engolir mecônio, a cesariana pode mesmo ser a melhor opção, já que isso pode representar um risco para você ou para o seu bebê.

O bebê está chegando

Assim que o bebê nascer, você irá querer tê-lo em seus braços, pronto para mamar. Mas o que acontece imediatamente após o parto vão de acordo com as condições do nascimento da criança e da saúde do bebê e da mãe. “Se você quer sentir logo sua pele na primeira meia hora após o nascimento, deixe isso claro”, afirma Arsenault. Nunca é demais lembrar ao médico e enfermeiras sobre suas vontades, afinal este é o seu momento com aquela ser que você carregou por nove meses.