Gravidez

Gengivite pode causar parto prematuro

Estudo da Unifesp recomenda ida ao dentista como parte do pré-natal; grávidas são mais propensas

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

gengivite na gravidez

Sabe quando você tem uma longa viagem pela frente e inclui entre os preparativos ir ao dentista? Raciocínio semelhante deveria ser aplicado durante a gestação. Estudo divulgado recentemente pela Unifesp reforça a importância de se incluir exames odontológicos no pré-natal e alerta sobre a falta de orientação a gestantes. Doenças bucais podem, por exemplo, levar ao parto prematuro e influir no baixo peso do bebê.

“As bactérias da gengivite e da periodontite escapam para a circulação e, no corpo da gestante, conseguem se fixar na placenta, tecido que envolve o bebê dentro do útero. Como uma reação para salvar a criança, o corpo entende que precisa antecipar o trabalho de parto”, explica a doutora Andrea Beder, filha de Vilma e Marcelo, mestre em implantodontia, cirurgiã trauma buco maxilo facial.

Anúncio

FECHAR

Durante a gravidez as inflamações nas gengivas podem piorar por causa das alterações hormonais que modificam o equilíbrio normal da boca. Escovar bem os dentes, como sempre, é fundamental. “As mulheres ficam sensíveis emocionalmente e acaba consumindo mais doces, aumentando a acidez bucal, ambiente perfeito para a proliferação de bactérias”, complementa o Dr. Milton Raposo Jr, pai de Cintia e Bruna, especialista em estética facial dental e reabilitação oral.

“A ansiedade, medo, mitos e crenças que rodeiam as mamães também dificultam a importância sobre a necessidade dos cuidados”, acredita ele. Crenças e mitos de que o tratamento odontológico realizado durante a gravidez prejudica o desenvolvimento do filho ainda acompanham mulheres e atrapalham o cuidado com a saúde bucal neste período. Veja as respostas às dúvidas mais comuns:

Quando iniciar o tratamento com segurança para o bebê?

O segundo trimestre gestacional seria a melhor fase para tratar a gestante, pela sua estabilidade física e psicológica. Assim é possível evitar desconfortos, como náuseas, provocadas por instrumentos ou odores dos produtos utilizados durante o tratamento.

Se a mãe tem alergia a estes produtos, como seguir o tratamento?

Graças às farmácias de manipulação há produtos antialérgicos e sem cheiro e sabor para ajudar a mãe. Converse com seu dentista.

Gestantes podem tomar anestesia bucal?

Sim, o grande vilão para as grávidas eram os anestésicos locais, mas hoje temos diversos tipos de anestésicos locais específicos para elas, bem como para cardíacos, por exemplo.

A mãe que não sente incômodo na gengiva ou nos dentes, mesmo assim pode apresentar estes problemas?

Sim. A gengivite e periodontite não apresentam sinais e quando descobertas já estão em estágio avançado.

O tratamento pode ser realizado no terceiro trimestre de gestação?

Sim, porém se devem respeitar algumas regras porque neste período a mamãe está ansiosa devido à proximidade do parto.

E quais são estas regras?

Não reclinar muito a cadeira odontológica, evitando o desconforto da gestante e até mesmo dificuldade de respirar devido à posição. Os tratamentos devem ser rápidos e de preferência pela manhã. A grávida deve tomar café da manhã antes de começar o tratamento, para equilibrar o nível de glicose no organismo. O consultório deve estar equipado com banheiros especiais e entender que o tratamento pode ser interrompido, devido à necessidade da paciente de urinar.

Consultoria: Unifesp; doutora Andrea Beder, filha de Vilma e Marcelo, mestre em implantodontia, cirurgiã trauma buco maxilo facial e especialista em apneia do sono, do Instituto Alpha; doutor Milton Raposo Jr, pai de Cintia e Bruna, especialista em estética facial dental e reabilitação oral na MR Estética Dental.