Família

Seu filho é o que você come

Se os pais querem introduzir alimentos específicos na refeição das crianças, devem fazer isso até os três anos de idade. Mas nada de forçar a barra

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

É bastante comum que a maioria dos pais queira que os filhos tenham hábitos saudáveis de alimentação, mas muitas vezes começamos a nos preocupar com isso quando é criança é um pouco mais velha e já desenvolveu seus hábitos alimentares por gosto. Por isso, o pediatra Jairo Len, pai de Juliana Alexandre e Guilherme recomenda: “O que quer que você queira dar para seu filho comer, faça isso antes dos 3 anos de idade”.

Muitas vezes, nós ficamos preocupadas porque as crianças não comem rúcula, alface, agrião, abobrinha… Mas o essencial mesmo é que elas comam proteínas, carboidratos e muito cálcio, para crescerem fortes e saudáveis. Depois disso, aos poucos você pode introduzir outros alimentos, sem estresse.

Micronutrientes como ferro, zinco, iodo e ácidos graxos são encontrados em outros alimentos que serão apresentados ás crianças ao longo do tempo. “As crianças desenvolvem um tipo de neofobia aos alimentos dos três aos dez anos. Ou seja, durante esse período elas não vão experimentar muitas coisas e vão dizer que não gostam de algo só de olhar”, explica o pediatra.

Anúncio

FECHAR

O que meus filhos estão comendo?

Em geral, as crianças se habituam facilmente a comer arroz, feijão, carne moída e macarrão. Depois dos seis meses, quando já começa a introdução de alimentos sólidos, você pode oferecer aos poucos mais alimentos que fazem parte da rotina familiar. E isso é muito importante: seu filho não vai comer vegetais e frutas se você e toda a família só gostam de comer hambúrguer e batata frita. Mais do que um hábito que pode ser construído, a alimentação é um hábito familiar.

As fórmulas lácteas e compostos lácteos também podem ajudar a suprir a necessidade de vários nutrientes, depois do período da amamentação. Sempre converse com o pediatra do seu filho para saber qual é a melhor fórmula ou composto disponível no mercado para seu filho.

É fundamental que a refeição não se torne um momento de tortura para a criança. “A hora de comer não pode ser incômoda. Sentar com a família e fazer as refeições hoje em dia é um evento raro, mas esse momento deve ser conduzido de forma leve”, diz Jairo Len. Não há nada de errado com seu filho se ele ainda não come rúcula todos os dias, por isso tente não forçar a barra.

Uma criança normal vai desenvolver hábitos saudáveis se for incentivada e principalmente se tiver os exemplos em casa. “Muitas mães se preocupam com os nutrientes errados, algumas crianças vivem uma fome oculta”, finaliza Jairo Len. Faça da hora da refeição um momento de prazer.

Consultoria: Dr. Jairo Len, pediatra. Blog: http://clinicalen.blogspot.com.br/