Criança

Palavras ofensivas fazem mais mal do que a palmada

O problema não é brigar, é humilhar a criança, dizendo coisas como “você não presta”

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Pesquisa da PUC do Rio Grande do Sul com 10 mil adultos mostrou que ofensas na infância têm consequências mais graves para a criança do que bater.

Segundo reportagem divulgada neste domingo pelo Fantástico (TV Globo), palavras ofensivas e de negligência emocional reduzem em até 30% a autoestima e o otimismo e aumentam em 20% a impulsividade.

Mesmo sendo proibido pela famosa lei da palmada (sim, agressão verbal também está contemplada na lei), segundo a pesquisa, 60% dos brasileiros já sofreram abuso emocional. 

Anúncio

FECHAR

Um estudo de 2013 da Universidade de Pittsburgo e Universidade de Michigan já tinha mostrado que, entre os adolescentes entre 13 e 14 anos com pais que costumam gritar, existe uma taxa maior de mau comportamento e maiores casos com sintomas de depressão.

Leia também: Você fala a mesma coisa uma, duas, três vezes e nada! Aí, não se segura e parte para o grito. Só que, em seguida, bate a culpa

Claro que às vezes a gente perde a cabeça. Uma das principais culpas que identificamos nas mães nos encontros do projeto “Culpa, Não” aqui na Pais&Filhos era justamente a de gritar. Mas calma: são duas coisas bem diferentes. Dar bronca e limites é fundamental. Ameaçar e ofender o filho é outra história.

A lição que fica é: quando o nervosismo vier, conte até 10. E tenha uma conversa produtiva com seu filho, para que ele entenda o que você está falando e aprenda para agir de maneira diferente da próxima vez.