Família

Não tem preço

40 presentes que o dinheiro não pode comprar

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Parece clichê, mas é isso mesmo: existem presentes que dinheiro nenhum do mundo consegue comprar. São momentos, situações, pessoas, lugares e comportamentos que só vivendo para saber o valor que têm. Um valor interno, que não visa ao lucro, pelo menos não monetariamente falando. Confira aqui 40 dicas simples e inesquecíveis para você presentear seu filho neste Natal e no outro, no outro, no outro…

 
1. Tomar banho de chuva, tem coisa mais gostosa? Dançar na chuva, sentir na boca o gosto da água, até você e seus filhos ficarem ensopados. Você tem vergonha? Deixa disso, Gene Kelly fez tudo isso com o maior charme num filme antológico, “Cantando na chuva”. Aliás, ótimo para vocês verem juntos depois daquele banho quentinho…
 
2. Piquenique no quintal, na varanda do prédio, no sítio da família, na casa da avó… Não importa o lugar, o que vale é aquele clima gostoso, todo mundo comendo com as mãos, batatinha, cachorro quente, refrigerante, suas guloseimas favoritas, risadas, brincadeiras.Uma farra, cujas memórias a gente guarda para o resto da vida.
 
3. Cuidar da natureza é tudo! A sábia escritora Ruth Rocha diz: “Para que a terra continue a nos dar tudo o que precisamos para viver é preciso cuidar dela melhor que da nossa própria casa. Da casa podemos nos mudar, da terra não”. Criança tem que saber, desde cedo, que a natureza é sagrada. Tem coisa melhor do que regar jardim, cuidar de plantas e de bichinhos, fazer trilhas e andar na praia com seu filho?
 
4. Empinar pipa, lembra? Juntar as varetas, colar o papel, fazer a rabiola e sair por aí empinando. Deixe a timidez de lado e vire criança de novo: vá até o parque ou descampado mais próximo de sua casa e divida com seus filhos a alegria de ver a pipa subir, subir, subir…Ou cair, cair, cair. O que vale é a diversão. Se joga!
 
5. Plantar feijão no algodão. Tem coisa mais escola primária? E mais profunda? Ver a vida se reproduzir ali, num vasinho que você monta com as crianças, joga a semente e depois ficar vendo a plantinha crescer. Além de observar como é lindo o ciclo da vida, seu filho aprender na prática que, se tratamos bem da natureza, ela nos dá belos frutos.
 
6. Um banho de piscina, ou de esguicho. No prédio, no clube, em casa de amigos, em piscinas municipais e até em hotéis bacanas na sua cidade onde dá para freqüentar a piscina pagando por dia. Se nada disso der certo, sempre há o bom e velho banho de esguicho no quintal.
 
7. Cuidar dos bichos. Dar comida, banho, passear, visitar o veterinário:ter um bichinho além de divertido, também implica em amor e responsabilidade.
 
8. Criar o “Dia do errado”. Nesse dia, vale tudo: faltar ao trabalho e à escola, pra você e seu filho ficarem livres de tudo! Vestir roupa do avesso, comer em horas erradas, pois o bom de levar uma vida certinha, é poder quebrar as regras uma vez ou outra, né?
 
9. “Hoje quem manda é você”. Assuma vez ou outra as crianças devem sentir o gostinho de assumir o controle. Qual será o almoço, o passeio, a roupa, o lanche da tarde, eles escolhem tudo! Dentro dos limites do bom senso, claro.Aí eles sacam que a vida é cheia de opções e que nem sempre é fácil tomar todas as decisões.
 
10. Contar histórias. Essa é das antigas e nunca sai de moda. Saiba que as histórias que você conta para eles vão fazer parte de seu imaginário por muito tempo. Através delas visitam o mundo sem sair de casa, e vivem as alegrias e dificuldades que os heróis das histórias enfrentam. Quando forem heróis de sua própria história vão lembrar com carinho desses momentos.
 
11. Ensinar um jogo. Não videogame, ou brinquedo comercial, mas de queimada, taco,mico, pular corda, amarelinha. Aquelas coisas você adorava fazer quando era criança.
 
12. Montar a árvore de Natal. Vocês escolhem juntos a árvores e fazem os enfeites. Pintam bolas, fazem laços, penduricalhos de pipoca, fitas, papel. Vale a sensação de ter a árvore mais linda do mundo (mesmo que ela não seja lá essas coisas).
 
13. Compor uma música. Se você leva jeito para algum instrumento, ótimo. Senão, vá inventando estrofes com seu filho: o legal é ter a cara dos dois. Se der para gravar, melhor ainda, e faça cópias: não vá perder uma preciosidade dessas.
 
14. Ensinar uma receita de família. Libere geral a cozinha, faça uma lambança, lamba os dedos e depois limpem tudo. Enquanto estiverem com a mão na massa, conte como era a vida quando você aprendeu aquela receita…e bom apetite!
 
15. Um passo só seu. Som na caixa, uma roupa gostosa, e dancem à vontade como se ninguém estivesse vendo. Invente um, dois, mil passos, criem uma coreografia maluca, e que na hora da festa só vocês sabem dançar…É fera!
 
16. O barquinho vai…Num dia de chuva, ensine seu filho a fazer barquinhos de papel, formar uma flotilha e "navegar” para aqueles lugares que vocês adorariam de conhecer. E aproveitem para cantarolar: “o barquinho vai…”
 
17. Inventar uma festa original para o Ano Novo, por exemplo. Pode ser um lual, com a dança do hula-hula na praia, saias de ráfia, colar de flores, tudo inventado por vocês. “Da última vez que fizemos o hula-hula em Ubatuba”, conta Patrícia Broggi, “o sol, de presente, se pôs, e ganhamos uma enorme lua no céu”. Não é lindo?
 
18. Clube das Mulheres. Bolar um dia só de mães, filhas e amigas: ir ao shopping, ao salão de beleza, almoçar num lugar bacana, num cineminha, dar risada, braços e beijinhos. O tempo não pára. Aproveitem!
 
19. Lugares novos, de outro jeito. Ir à pé, de metô ou de ônibus visitar um museu ou um parque com seu filho. Caminhadas e transporte coletivo soam como novidade quando não fazem parte da rotina das crian- ças.De quebra elas ainda aprendem a se situar e a entender melhor a cidade.
 
20. Brinquedo de sucata. Moderno e ecológico : criar algo único a partir de objetos descartados. Seu filho aprende que nada se perde e tudo se transforma. Solte a imaginação: móbiles de CDs, instrumentos musicais com garrafas PET, casinhas de caixas, tampinhas de garrafa…invente!
 
21. Criar uma peça de teatro. É uma curtição! Os pais ajudam os filhos a montar um verdadeiro espetáculo, com palco, cortina e tudo: inventam texto, figurino, cenário; fazem convites e na data marcada, encenam uma apresentação inesquecível para o resto da família. Com direito a fotos, é claro!
 
22. Ter um diário, ou escrever memórias num caderno. É um hábito riquíssimo. Nossa diretora editorial, a Monica, faz isso desde garota. A vida está cheia de coisas fascinantes, às vezes boas, outras nem tanto, e são essas experiências de vida que nos fazem ser quem somos. Mais pra frente, quando seu pequeno for um adulto, vocês podem reler juntos as aventuras e os momentos felizes de suas vidas. Recordar é viver, né?
 
23. Ter um amigo. Dizem que amigos são a família que a gente escolhe.É verdade. Cultivar uma amizade, respeitar as diferenças e aproveitar muuuito um amigo é uma das bênçãos da vida. E se for de verdade, fica do nosso lado pra seeeeempre.
 
24. No escurinho do cinema. Pode ser um filme bacana que está no circuito,para o qual vocês compram ingressos, curtem na telona com a sala escura e depois vão comer o hamburguer favorito numa lanchonete. Ou então em casa, mesmo, no sofá, com pipoca e guaraná. Se possível tire do baú videos antigos, de quando você e eles eram pequenos…doces memórias!
 
25. Saúde sempre em dia. Quando um filho se machuca, a gente se machuca também. Com saúde não se brinca, e por eles, a gente faz tudo. Cuidar deles com carinho, levar ao médico, ficar de olho, não tem preço. É um presentão indispensável que damos aos pequenos.
 
26. Entusiasmo. A palavra vem do grego, e quer dizer: “Ter Deus dentro de si”. A pessoa entusiasmada faz as coisas acontecerem. Cultivando o entusiasmo você ensina seu filho a ter entusiasmo pela vida, pelas pessoas, por seus sonhos. É lindo.
 
27. Ter fé. Acreditar é uma benção. Ter a certeza de que existe algo maior que nós, independente da religião. Esta crença nos ajuda a entender melhor a vida, lidar com nossos problemas, desenvolver a esperança, instrumentos valiosos para o futuro deles.
 
28. Respeitar o próximo. É vital para ser respeitado. É uma dádiva aprender desde cedo, a respeitar o outro numa sociedade tão individualista. Somos melhores se acreditamos que todos são iguais e devem ser tratados com a mesma delicadeza. Para Rousseau, sempre foi mais valioso ter o respeito do que a admiração das pessoas. A gente concorda com ele, totalmente.
 
29. Correr atrás dos sonhos. Os sonhos são a fôrma onde criamos a realidade. Não há nada melhor do que correr atrás de um sonho e ver que seu esforço resultou num final feliz. Sonhe com seus filhos: quando acreditamos e trabalhamos nesse sentido, nossos sonhos se realizam.
 
30. A importância do carinho. Dizer aos filhos o quanto eles são importantes pra gente deve ser dito SEMPRE e desde cedo. Eles podem não entender, mas sentem. Afeto é um investimento para toda a vida. ratados com afeto, nossos filhos serão afetuosos e constrirão um mundo melhor.
 
31. Caridade. Junte roupas e brinquedos que seus filhos não usam mais e doe a uma creche, um orfanato. Se puder ir levar lá com seus filhos é ainda melhor: um aprendizado para toda a vida.
 
32. Colinho de mãe. Se há uma coisa que a gente nunca deixa de querer, é colo de mãe. Não importa a idade, tem hora que todo mundo fica carente e quer um colinho de mãe mesmo. Ofereça o seu, sempre, mesmo quando seus filhotes pareçam só estar fazendo birra…pois colo de mãe nunca é demais.
 
33. Valorizar tudo o vier deles. Sabe aqueles rabiscos ininteligíveis que a criança adora fazer e dar de presente? Pois saiba recebê-los como se fossem os presentes mais preciosos do mundo. Seus filhos se sentem amados pelo que são, ganham auto-estima, e produzem mais e melhor.
 
34. De graça. Ensinar que há coisas que o dinheiro não compra meeeesmo: ALEGRIA, AMOR, RESPEITO, AMIZADE, TERNURA = TUDO DE BOM, valores que nossos filhos recebem de graça e devem aprender a valorizar, sempre.
 
35. Pedir perdão. Não significa perder a autoridade, não. Todo mundo erra. Por mais que a gente tente ser justo, tem hora que pisa na bola. Uma bronca exagerada, um castigo desnecessário, um grito fora de hora, e depois a gente fica mal, com aquele peso na consciência. Peça perdão: ao pedir desculpas que você ensina seu filho a reconhecer o erro e reparar o que foi feito.
 
36. Saber ouvir. Falar é prata, ouvir é ouro, diziam nossas avós. Ouça o que seu filho tem a dizer, sem repreender, interromper ou dar conselhos. Um pai se julgava exemplar, até seu filho de sete anos, em terapia, dizer a ele tudo o que pensava. O pai nunca imaginou que era daquele jeito que o filho o via. Ouvir é preciso!
 
37. Ler um livro juntos. Cada um lê um pouco, em dias alternados, e vocês, juntos, criam um mundo particular, cheio de significados.
 
38. Dar liberdade. Seu filho deve bater as asas sempre que tiver oportunidade. Dormir na casa de um amigo, passar um tempo com os avós, para sentir e controlar a saudade de casa. Os muito pequenos às vezes ligam pedindo socorro. Dependendo do caso, corra para buscá-los. Por enquanto, é só um teste…
 
39. Dar risada. Nada mais saudável! Dar risada, em todas as horas possíveis. E mostre ao seu filho que, é muito bom aprender a rir da gente mesmo! É algo que vai ajudá-lo para o resto da vida.
 
40. Amar, amar, amar, amar demaaaaais. Encher os filhos muito amor, e passar adiante esse sentimento através de seu exemplo. Tá combinado?
 
Consultoria: Rubem Alves, pai de Sérgio, Marcos e Raquel, é escritor e mestre em teologia e doutor em filosofia. Lidia Aratangy, mãe de Cliudia, Sílvia, Ucha e Sérgio, é psicoterapeuta. Regina Migliori, mãe de Andréa, Melissa e Isadora, é diretora do Instituto Migliori e consultora de cultura de paz da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), www.migliori.com.br. Mario Sergio Cortella, pai de André, Ana Carolina e Pedro, é filósofo, mestre e doutor em educação e professor do Departamento de Teologia e Ciências da Religião da PUC-SP. Olivia Bernardes, mãe de Clara, Miguel e Francisco, é idealizadora e coordenadora do curso Marinheira de Primeira. Claudia Visoni, mãe de Alex e Julieta, é jornalista e fundadora da empresa Conectar.Claudia Vidigal, mãe de Pedro e Thomaz, é psicóloga e sócio-fundadora do programa Fazendo Minha História, que acompanha a história de 500 crianças que vivem em abrigos. Adriana Salles, mãe de Gabriel e Olívia e madrasta de Eduardo, Juliana e Isabella, é administradora de empresas e sócio-diretora da assessoria esportiva Projeto Mulher. Luiza Olivetto, mãe de Homero, é artista-plástica. Dr. Roger, pai de Soraya, Vicente, Juliana, Mirella e Karime, é especialista em reprodução humana. Juliana Cádiz, mãe de Olivia, é relações-públicas. Patricia Broggi, mãe de Luca e Tiago, é jornalista.

Pais&Filhos TV