Família

Muito além das histórinhas

A escritora Paula Furtado participa da 23ª Bienal do Livro e mostra que contos de fadas podem ser usados para resolver questões infantis

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

 

A 23ª edição da Bienal Internacional de Livros, que acontece desde o dia 22 até 31 de agosto traz a escritora psicopedagoga e contadora de histórias Paula Furtado em dois espaços: a Escola do Livro e o Espaço Imaginário.

Paula é autora de livros como “Era uma vez… Aprendendo Português”, “Histórias Curando Histórias” e “Terapia do Conto – Para Curar o Coração” pela editora Girassol. Batemos um papo com ela, olha só:

Anúncio

FECHAR

 

(P&F) Como será sua participação na Bienal?

 No Espaço Imaginário o contato será direto com as crianças, com dinâmicas mais interativas, técnicas de dobradura, pintura e contação de histórias. Já na Escola do Livro o público será formado, em sua maioria, por educadores. O tema central será “como usar os contos de fada como recurso pedagógico”.Além de divertir as crianças, os contos de fada também podem ser utilizados como uma alternativa para detectar e cuidar de problemas emocionais, auto-estima, questões sociais ou na escola. Isso porque as histórias carregam consigo um grande poder curativo, pois o personagem principal tem um problema que se estende por toda a trama, mas no final consegue resolver e chegar a um final feliz.

(P&F) De que forma os contos de fada podem ser usados no âmbito pedagógico?

Além de divertir as crianças, os contos de fada também podem ser utilizados como uma alternativa para detectar e cuidar de problemas emocionais, auto-estima, questões sociais ou na escola. Isso porque as histórias carregam consigo um grande poder curativo, pois o personagem principal tem um problema que se estende por toda a trama, mas no final consegue resolver e chegar a um final feliz.

(P&F) Como esse método pode ser aplicado?

O intuito não é contar logo de cara a moral da história, mas sim deixar que a criança se identifique com o enredo e ela expresse de forma voluntária o que sentiu. A partir desse estímulo é possível mostrar a ela que a situação pela qual está passando tem solução e até mesmo os heróis e princesas dos contos de fada têm momentos tristes, mas conseguem contorná-los e seguir em frente.

(P&F) Em relação ao desenvolvimento cognitivo, como os contos de fada podem ser utilizados?

 Oriento os professores a trabalharem aspectos da gramática principalmente, na aquisição e desenvolvimento da linguagem das crianças, diferenciação entre substantivos, adjetivos e aprendizado de tempos verbais.

(P&F) Você poderia dar algumas orientações sobre como contar uma boa história?

 É muito comum as crianças dormirem quando estão ouvindo uma história. Quando isso acontecer, o indicado é continuar até o final, pois mesmo que a criança esteja dormindo o inconsciente ainda está trabalhando. Se a narrativa for interrompida no meio, ela não terá a solução para o conflito apresentado no conto e pode ter um pesadelo ou sono inquieto durante a noite.

 

 

 

 

 

Pais&Filhos TV