Família

Hotel bom pra cachorro

Você tem viagem marcada, mas não pode levar o pet junto nem quer que ele se sinta abandonado. Como tornar as férias bacanas para você e para ele

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Nem sempre nosso destino de viagem comporta o animal de estimação. E dá pena de deixar alguém que já é da família sozinho, mesmo que tenha um amigo ou parente para dar comida e água. Dono de pet sofre antecipadamente quando pensa em viajar.

Felizmente, hoje existem vários lugares para deixar o cachorro enquanto os donos estão fora. O importante, nessas horas, é que ele seja bem cuidado. As “creches” e os “hotéis” de animais funcionam de maneiras diferentes. Na maioria deles, o porte do cachorro e os cuidados interferem no preço do pacote (em média R$ 50 a diária).

Luciana Scaramuzza, filha de Eliane e Abílio, inaugurou o Centro de Bem-Estar Animal Amigos DDC, em Perdizes, São Paulo. É um espaço “dog day care”, que atende cerca de 500 animais por mês. A creche funciona durante o dia: geralmente os clientes trabalham durante a semana e não querem deixar os cães sozinhos. Em apartamentos cada vez menores, dá para entender a escolha. Nesses casos, os proprietários buscam os animais no final do dia. “Os cães vêm para a creche para socializar com outros da sua espécie”, conta Luciana. Lá eles realizam atividades, passeios e brincadeiras, que vão desde correr, até cabo de guerra com corda, por exemplo. “Isso desenvolve o instinto do cão e faz com que não fique ansioso”, complementa. Já no hotel, embora as atividades sejam parecidas, os cães podem passar uma temporada.

Anúncio

FECHAR

Márcia Iorita de Souza, filha de Noemia e Mardocheu, é dona da cadela Ludmila, que, aos 16 anos, enxerga muito pouco e tem problemas na coluna em decorrência da idade. “Ela costuma ficar bastante tempo em hotel e é muito delicada. Quase não anda e, por isso, o importante é a atenção e o carinho que recebe lá”, conta a dona. 

Para conhecer os lugares, Márcia procurou se orientar na internet. “Pesquisei em sites e tentei conversar com outras pessoas que já haviam deixado o cachorro no lugar”, conta. A dica é compartilhar experiências e conhecer o espaço, principalmente em relação à higiene e atenção dos cuidadores. “A Lud é doente e, por isso, sempre faço um relatório do seu temperamento e sobre os remédios que costuma tomar”, diz. Meio como a gente faz quando vai deixar o filho na casa dos avós, é ou não é? Mesmo no caso de cães saudáveis, é sempre bom orientar os funcionários do espaço sobre a personalidade e gostos do animal.

Após conhecer o ambiente e sentir confiança, é a hora de fazer um teste. Seu pet vai participar das atividades oferecidas e, assim, os cuidadores vão observar o seu temperamento e como ele se comporta em grupo. “A rotina de um cão é diferente da do outro. Precisamos entender isso e também as suas limitações e dar uma atenção especial”, diz Luciana. 

Jessica Yamassaki, filha de Rosa e Sueki, criou a creche e hotel Cãotinho, onde os donos podem matar as saudades de seus pets por meio das câmeras, seja pela internet ou por um aplicativo que é instalado no celular. 

Lá, além das brincadeiras e do miniadestramento – os cães são incentivados a sentar, rolar e dar a patinha –, os animais recebem o carinho dos cuidadores. “Nenhuma atividade é imposta aos cães. A integração é uma diversão, mas alguns preferem não participar e recebem o carinho de uma pessoa próxima para se sentirem menos inseguros. Já na hora de dormir, uma roupa usada, com o cheiro do dono, vai garantir a tranquilidade do animal”, conta Jessica. Com todo esse cuidado, o seu cachorro ficará mais sociável e você garante uma viagem despreocupada.   

Antes de levar o seu cachorro para o hotel, lembre-se:

– De checar se as vacinas estão em ordem;

– De levar uma roupa velha com o seu cheiro;

– De levar os remédios necessários;

– De usar o remédio antipulgas.