Família

A história dessa garota está inspirando famílias a contarem suas histórias de adoção

O relato de Gaoanna divulgado no Facebook é comovente

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Gaoanna foi abandona em um orfanato quando tinha seis meses de vida (Foto: Reprodução Facebook/ Human of New York)

Gaoanna foi abandona em um orfanato quando tinha seis meses de vida (Foto: Reprodução Facebook/ Human of New York)

Não é segredo que adoramos conhecer histórias que tocam nosso coração sobre famílias. Quando elas envolvem adoção ficamos ainda mais emocionados. É o que está acontecendo com o post da página “Humans of New York” (humanos de Nova Iorque, em tradução livre). A publicação mostra a foto e um relato de Gaoanna, que foi abandonada no norte da China, mas depois aprendeu o amor com sua mãe adotiva.

Leia mais:

7 dicas sobre adoção para pais e mães que vão entrar no processo

Anúncio

FECHAR

Adoção passo a passo

Fisioterapeuta conta sobre a adoção de menina com paralisia cerebral severa

O post está sendo visto como uma forma de união dos pais adotivos. A publicação já tem mais de 500 mil reações e 14 mil compartilhamentos. Muitos pais adotivos estão suas compartilhando histórias comoventes e fotos de suas famílias. Veja, abaixo, como o relato é emocionante.

“Quando eu tinha seis meses de idade, fui jogada em um orfanato, no norte da China. Eu só tinha um pequeno bilhete na minha camisa com o nome da minha aldeia. O orfanato colocou meu nome de Gaoanna, que significa “menina das altas montanhas’. A minha mãe decidiu me adotar depois de receber uma foto minha pelo correio. Ela tinha 45 anos na época e tinha acabado de se divorciar. Ela nunca teve filhos. Então, fomos só nós duas toda a minha vida. Lembro que uma vez na escola, tivemos uma discussão e minha mãe ficou muito sensível. Ela começou a chorar e disse: “não podemos lutar. Somos só nós duas e temos que ficar juntas”. Naquele momento eu percebi o quanto eu tinha mudado a minha vida da minha mãe. Ela tinha certeza desde o início, mas isso, para mim, era algo que precisava ser aprendido.”