Criança

Vacina proteje contra as doenças pneumocócicas

Bactéria chamada pneumococo causa cinco tipos de doenças nas crianças

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Por Marianna Perri, filha de Rita e José

A saúde do seu filho tem um inimigo que pouca gente conhece pelo nome. É o  Streptococcus pneumoniae, bactéria responsável por doenças graves como a pneumonia e meningite e condições mais simples como a otite (inflamação no ouvido). Todas elas são chamadas de Doenças Pneumocócicas (DP).
 
Embora muitos pais e mães as conheçam individualmente, 55% não sabem que elas são causadas pelo pneumococo (designação popular da Streptococcus pneumoniae) e 87% ignora os sintomas e agravantes de cada uma delas para a saúde das crianças. É o que informa a pesquisa Vacinação Infantil e Doenças Pneumocócicas encomendada pelo laboratório Pfizer e que ouviu 6.500 pessoas em 13 países, entre eles o Brasil.    
 
Cinco doenças para uma bactéria
As Doenças Pneumocócicas englobam cinco principais infecções: otite, sinusite, pneumonia, meningite e septicemia (infecção generalizada), em ordem de gravidade. Qualquer pessoa pode ser infectada, mas elas são mais comuns em alguns públicos como crianças até cinco anos.
 
Em todas as DPs, os sintomas são os característicos da própria doença e não há nada que indique que ela foi causada pelo pneumococo. Por isso, os pais devem ficar atentos aos sinais típicos de infecções bacterianas, como febre alta por mais de quatro dias e cansaço excessivo da criança. Se seu filho apresentar estes sintomas, procure imediatamente o pediatra. 
 
O combate das otites e sinusites, que atacam as vias respiratórias, é feito com antibióticos que atuam contra um amplo espectro de bactérias. É importante que o tratamento seja feito quando os primeiros sintomas aparecerem para evitar que o quadro infeccioso se agrave. 
 
No caso de manifestações mais agressivas da Streptococcus pneumoniae, como a meningite pneumocócica, quando a bactéria ataca as meninges (tecido que protege o sistema nervoso central) é necessária a internação imediata e administração de antibióticos intravenosos.Vale lembrar que o uso inadequado de antibióticos fortalece as bactérias e dificulta os tratamentos.  
 
Vacina é eficaz e está disponível na rede pública
Segundo a pesquisa Vacinação Infantil e Doenças Pneumocócicas, 34% dos brasileiros desconhecem a vacina que previne as DPs. Existem duas versões, a 13-valente, que protege os pequenos de 13 diferentes tipos de bactérias, entre elas o pneumococo e a Vacina Pneumocócica 10, similar, mas para dez bactérias.  O novo calendário de vacinação do governo, que entrou em vigor em agosto do ano passado, já engloba a Pneumocócica 10 durante o primeiro ano de vida do bebê. Mesmo assim, 64% dos brasileiros afirmaram não ter vacinado as crianças contra as DPs.Confira o calendário completo de vacinação do governo
 
Como as DPs são transmitidas por contato direto com objetos infectados pela secreção expelida pelo nariz ou boca e não por transmissão respiratória, outra forma eficaz de prevenir é manter as mãos e rostos dos bebês higienizados com produtos antibacterianos.
 
Consultoria: Paulo Olzon Monteiro da Silva, pai de Filipe, Paula e Marina, é clínico e infectologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) / Ana Paula Moschione Castro, mãe de Lucas e Mariana, é Pediatra e médica assistente da Unidade de Alergia e Imunologia do Instituto da Criança HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

Pais&Filhos TV