Criança

Mãe, tive um pesadelo! Saiba como lidar com esta situação

Sonhos ruins podem indicar que a criança está passando por uma dificuldade

A REDAÇÃO PAIS&FILHOS

abre_pesadelo

Quando o pesadelo é recorrente, a causa precisa ser investigada (Foto: Shutterstock)

Todos dormiam bem e parecia uma noite tranquila na sua casa, até que seu filho acorda assustado no meio da madrugada. Pesadelos pode fazer com que ele acorde com o coração disparado e transpirando. Mas segundo Deborah Moss, neuropsicóloga especialista em comportamento e desenvolvimento infantil, mãe de Ariel e Alicia, ter um sonho ruim é normal tanto para crianças quanto para adultos.

Leia também

12 dicas para te ajudar na hora de colocar as crianças para dormir

Anúncio

FECHAR

10 coisas que você não sabia sobre o sono do seu filho

Medos mais comuns nas crianças

“Principalmente com as crianças, pode ter relação com coisas que elas viveram e ficaram impressionadas ou assustadas”, diz a neuropsicóloga. Em suma, o que a gente vive de dia é guardado no cérebro durante a noite. Os pequenos que vão muito exaustos para cama, ou que não tiraram a soneca da tarde, também podem ter pesadelo, já que agitação demais durante o dia pode ser um fator desencadeante.

De acordo com Deborah, crianças pequenas não sabem diferenciar o que foi um pesadelo do que aconteceu de verdade. Se seu filho assistiu um desenho que tem uma bruxa e vai dormir com aquilo na cabeça, ele pode ter pesadelo relacionado. No entanto, não é uma relação de causa e efeito. Não necessariamente um medo vai fazer com que um sonho ruim aconteça.

Nós temos mais sonhos bons do que ruins. Dados da Associação Brasileira do Sono apontam que 20% a 30% das crianças entre 5 e 12 anos têm um pesadelo a cada 6 meses. Embora não haja um número considerado normal, é necessário diferenciar uma ocasião pontual de uma situação recorrente.

miolo_pesadelo

Evite convidar seu filho para ir dormir com você depois de um pesadelo para não reforçar o medo (Foto: Shutterstock)

Se os pesadelos ocorrem com muita frequência, algo pode estar errado e é preciso avaliar o que está acontecendo durante o dia. Um conflito na família, algo que esteja deixando seu filho aflito, ansioso, com medo e receio de ficar sozinho podem ser a origem do problema. Quando isso persiste, pode ser hora de procurar ajuda profissional.

Como ajudar

Um agravante do pesadelo nas crianças é que elas podem ter medo de voltar a dormir. O que você pode fazer é confortar, acolher, passar calma e explicar que foi só um sonho. Demonstre compreensão, mas não estenda o assunto de madrugada, para que seu filho não fique mais desperto. Se você ou ele quiserem conversar sobre isso, o melhor é esperar o dia seguinte.

Tente acalmá-lo para que ele volte a dormir tranquilamente. É normal que isso leve um tempo, mas a dica da especialista é não hipervalorizar o medo a ponto de chamar seu filho para ir dormir com você, porque, neste caso, você reforça, sem necessidade, a gravidade da situação. Se quiser saber mais sobre medo nas crianças, este o tema da matéria de comportamento da edição de maio da Revista Pais&Filhos, que já está nas bancas.

Mãe, posso dormir na sua cama?

5 medos reais que aterrorizam seus filhos