Criança

Ele está tão magrinho!

Os pais podem até achar, mas não: pesquisa aponta que 51% não percebem que seu filho está com sobrepeso

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Você acha que seu filho está acima do peso ou obeso? Se respondeu que não, pare e confira. Cientistas da Universidade Nebraska-Lincoln, nos Estados Unidos, analisaram estudos com mais de 15 mil crianças com mais de 2 anos e descobriram que pouco mais da metade dos pais de crianças com sobrepeso achavam que seus filhos estavam no limite ou até abaixo do peso normal.

 

Anúncio

FECHAR

Leia também

Estudo mostrou que 12,4% das crianças do jardim de infância já podiam ser consideradas obesas

Se seu filho não quer raspar o prato, relaxa: ele tem estômago de passarinho e você pode estar forçando a barra

A pirâmide alimentar brasileira mudou; entre as diferenças estão a inclusão da quinoa e do cereal matinal

 

A impressão de que as crianças não estão se alimentando bem também paira sobre pais de crianças de peso normal – 14% deles subestimaram o peso de seus filhos. A médica nutróloga Ana Luiza Vilela, mãe do Joaquim, explica que muitos pais têm a falsa impressão de que crianças gordinhas são mais saudáveis, e se enganam. Na verdade, o sobrepeso é um fator de risco já na infância, e um histórico que marca a vida.

 

A epidemia da obesidade infantil 

51% da população com mais de 18 anos está acima do peso ideal, segundo o Ministério da Saúde. E três em cada cinco crianças estão acima do peso. O ponto é que a obesidade não tem nada a ver com questões estéticas: está diretamente ligada à distúrbios como colesterol, diabetes tipo II, entre outras. 

Na maioria das vezes a alimentação inadequada aliada à falta de atividade física são as grandes causadoras desse mal. “Temos que tomar cuidados e trabalhar contra o sedentarismo que reduz o gasto calórico e aumenta o depósito de gordura no corpo”, explica a nutróloga. Além de estimular a criança a praticar atividades físicas e manter uma alimentação equilibrada, os pais também devem se preocupar com seus próprios hábitos alimentares. O controle sobre o que está disponível para a criança comer e em quais horários as refeições serão feitas é dos pais. As comidas gordurosas devem dar espaço aos alimentos com menos conservantes e ricos em gorduras boas como ômega 3.

Consultoria: Dra. Ana Luisa Vilela, mãe de Joaquim, é médica nutróloga da clinica Slim Form de São Paulo – www.slimform.com.br.