Criança

Elas conseguem e precisam entender: saiba como falar sobre câncer com as crianças

Linguagem fácil e simplificada é essencial para tranquilizar os pequenos

Isabela Kalil de Lima

Isabela Kalil de Lima ,Filha de Kátia e Fabio

É preciso saber como falar sobre o câncer com as crianças (Foto: Shutterstock)

É preciso saber como falar sobre o câncer com as crianças (Foto: Shutterstock)

Sabemos que o diagnóstico de uma doença, como o câncer, não é nada fácil para os adultos. Quando se trata de câncer infantil, é muito mais delicado. O coração fica apertado e a cabeça cheia de incertezas. Precisamos, no entanto, nos manter seguros e calmos para conseguirmos dar força e explicar para as crianças o que acontece neste momento complicado.

Leia mais:

Essas meninas que estão lutando contra o câncer realizaram o sonho de se tornarem princesas

Anúncio

FECHAR

Super emocionante: crianças com câncer falam com seus heróis por telefone

Procedimento preserva óvulos de mulheres em tratamento oncológico

O mais importante para a oncologista pediatra Viviane Sonaglio, mãe de Ana Luiza e Enrico, é sermos sinceros na explicação do que está ocorrendo com a criança. “Elas já têm muitas dúvidas porque percebem que algo não está certo, já que estão indo mais ao médico e, em algumas vezes, até saindo da cidade em busca de respostas”, comenta a médica.

Diante disso, é indispensável falar sobre o assunto de um jeito positivo e com a linguagem do mundo das crianças. “Se o filho perceber que a mãe chora com tudo que é falado, ele não vai mais fazer perguntas e vai ficar confuso”, explica a oncologista pediatra.

Carinho e companheirismo não podem faltar no tratamento de uma criança com câncer (Foto: Shutterstock)

Carinho e companheirismo não podem faltar no tratamento de uma criança com câncer (Foto: Shutterstock)

Também é importante engajar a família inteira e os amigos mais próximos no tratamento. “Carinho nunca faz mal”, alerta oncologista pediatra. A especialista lembra que é importante tentar manter ao máximo a criança no ambiente dela, participando das atividades na escola e em casa. “Indicamos apenas tomar cuidado com o contato com pessoas que estão gripadas e sempre lavar as mãos”.

É por tudo isso que o trabalho da ONG Beaba é tão importante. Fundada por Simone Mozzilli, filha de Eliane e Luis Alexandre, a organização foi criada para ajudar crianças com câncer a entenderem todas as fases do tratamento e termos médicos que muitas vezes nem nós adultos entendemos. Isso é feito, principalmente, por meio de uma cartilha que eles criaram, que explica com palavras fáceis e ilustrações muito fofas mais de 100 termos relacionados a doença, como dreno, acesso e cateter. As ilustrações são da artista Elisa Sassi.

Anestesia e antibiótico também estão explicados na cartilha (Foto: Divulgação)

Anestesia e antibiótico também estão explicados na cartilha (Foto: Divulgação)

Além dessas expressões que precisam ser compreendidas pelas crianças, algumas páginas da cartilha também apresentam dicas para as crianças saberem lidar com comentários que possam receber por conta da doença.

“Bobagem é o que muita gente vai falar sobre câncer para você e para sua família. Não é por mal, mas às vezes tanta falta de informação pode acabar atrapalhando. Ainda bem que você tem um time de médicos e enfermeiros especialmente preparados para cuidar do seu tratamento. Se tiver qualquer dúvida, pergunte a eles!”. É assim que o verbete é explicado.

Recebemos um exemplar e amamos!  (Foto: Redação Pais & Filhos)

Recebemos um exemplar aqui na redação e amamos! (Foto: Pais & Filhos)

Mãe com câncer encontra uma forma de manter contato com a filha depois de sua morte

Outubro Rosa: vídeo mostra reação surpreendente de famosos ao conhecerem a história de uma anônima

Todo o material foi feito com a participação de diversos colaboradores, desde artistas até médicos especialistas no tratamento de câncer infantil. A oncologista pediatra Viviane Sonaglio, inclusive é uma delas. A ONG Beaba também atua com voluntários em hospitais de São Paulo com atividades lúdicas e divertidas para as crianças que estão internadas por conta do tratamento da doença.

Com essas experiências, Simone Mozzilli, que já venceu um câncer, percebeu que os pequenos “seguram a barra” muito melhor do que os adultos. “Eles são mais curiosos e interessados, enquanto alguns pais têm medo até de ouvir sobre o assunto”.

Pai foi diagnosticado com câncer terminal e reagiu de forma surpreendente

Colegas doam férias para homem acompanhar o tratamento da filha com câncer

A cartilha pode ser encomendada por email e custa R$ 50. Esse dinheiro é destinado a impressão de uma nova remessa do material.  Se a pessoa que estiver interessada for doar o livro para alguma criança ou adolescente com câncer na família, a cartilha não tem custo. O pedido pode ser feito pelo email: hello@beaba.org.