Criança

Duas mães compartilham como é ter um filho alérgico à alimentos

Elas sabem pelo que você está passando

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

untitled-design-31

(Foto: Shutterstock)

Duas em cada 25 crianças têm uma alergia alimentar. Isso significa que um número impressionante de pais deve se preocupar todos os dias sobre como proteger seus filhos de ameaças que nem sempre são tão óbvias. Você faz parte desse grupo? Dá uma olhada no depoimento dessas duas mães, americanas, que sabem exatamente pelo que você passa.

“Eu não conseguia acreditar!”, afirma Allison Villafanne-Kaplan, de Rocky Point, Nova Iorque.

mom

(Foto: Emily Heinz)

Uma pequena mordida em um frango quase custou a vida da minha filha mais velha. Nós estávamos visitando parentes durante um feriado em 2013 e eu dei a Virgínia, na época com 4 anos, permissão para provar o que minha tia estava cozinhando. Não tinha pensado que o frango poderia ter sido mergulhado em ovos, que ela é alérgica. Ela também é extremamente alérgica a amendoim, nozes, camarão, soja e gergelim. Quase imediatamente, ela começou a ter problemas para respirar e me disse: “Mamãe, eu acho que preciso ir ao hospital”.

Anúncio

FECHAR

Embora tenha diagnosticado suas alergias alimentares aos 9 meses, nunca entendi realmente o perigo de anafilaxia antes desse dia. Depois desse episódio, bani todos os produtos que contêm nozes ou gergelim da nossa casa. Minha irmã (que também é nossa babá) e todos da família que vivem nas proximidades também mantêm “casas seguras”. Eles são treinados para identificar anafilaxia. Infelizmente eu não posso dizer o mesmo do resto do mundo.

Para Virgínia ter uma vida plena significa assumir alguns riscos, mas eu tento minimizá-los. Nós compramos um piano para que ela pudesse fazer aulas em casa e não em um teclado compartilhado. Ela escreve histórias e compõe músicas retratando sua irmã como heroína. Ainda assim, minha filha se sente excluída quando vê crianças em uma festa de aniversário comendo bolo de sorvete. Trazer um cupcake de casa não é o mesmo.

“Você nunca pode baixar a guarda”, aconselha Malia Heimbach, de Lexington, Carolina do Sul.

mom2

(Foto: Christine Perry-Habben)

Com 10 meses, meu filho mais velho, na época com 10 meses, desenvolveu uma eczema que pensávamos ser uma reação ao leite e aos ovos, mas os testes mostraram que ele também era alérgico a amendoim e nozes. Eu pensei “fácil, então ele não vai comer amendoim”, problema resolvido.

Meu filho teve a sua primeira reação anafilática com dois anos. Nós estávamos no parque quando um dos meus amigos deu a ele um sanduíche cheio de manteiga de amendoim. Em poucos minutos, meu filho ativo caiu no chão. Liguei para o pediatra e a enfermeira recomendou que eu lhe desse Banadryl para crianças. Quando chegamos em casa, Parker estava muito mal e desenvolveu uma erupção cutânea no pescoço e no peito. Corri para o hospital e o médico lhe deu uma injeção de esteroides (que pode ser usada para tratar a inflamação causada por uma reação alérgica). Gradualmente, os sintomas foram desaparecendo. Foi então que eu aprendi a nunca baixar a guarda.

Às vezes não consigo controlar meus instintos de mãe. Para garantir que a escola de Parker tinha entendido a gravidade de suas alergias, mostrei fotos que tirei durante suas reações alérgicas: “Isso é o que acontece com meu filho quando ele é exposto à nozes, ele nem precisa comer”.

Eu me concentro em mantê-lo seguro todos os dias e, muitas vezes, preciso tomar decisões difíceis. Deve ter parecido grosseiro quando de repente partimos de uma festa quando começaram a distribuir copos de manteiga de amendoim. Mas para mim era uma necessidade que qualquer mãe de uma criança com alergia alimentar entenderia.

Leia também:

Você sabia que educação emocional virou matéria escolar?

Comida sólida para o bebê: quando e como começar

Seu filho não consegue fazer cocô? Entenda o que pode estar acontecendo 

Pais&Filhos TV