Criança

Comum desconhecida

A fissura labiopalatina é comum, mas ainda causa estranheza

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

A fissura labiopalatina acontece em um a cada 600 nascimentos normais, mas ainda causa estranheza. Saiba mais sobre a deformidade

É comum, acontece em um a cada 600 nascimentos normais no Brasil, e estima-se que, no país, existam 300 mil portadores da deformidade. Apesar dos números, as fissuras labiopalativas ainda são estranhas à população.

Anúncio

FECHAR

As fissuras são aberturas no lábio, palato (céu da boca) ou tecido mole na parte superior da boca. Existem diferentes tipos de fissuras, de maior e menor extensão, podendo atingir do lábio à úvula (conhecida como campainha).

A fenda unicamente labial é a deformidade congênita mais comum, mas a que mais incomoda esteticamente os portadores, comenta o cirurgião plástico Henrique Cintra, pai de Guilherme e Eduardo e membro do conselho médico da Operação Sorriso.

A fissura pode se estender e comprometer também os dentes (região do alvéolo dental) e o céu da boca. A cirurgia, em todos os casos de fissura, é inevitável. E, dependendo da gravidade e do tamanho desta fenda, são necessários vários procedimentos.

As crianças que portam a fissura labial passam por uma cirurgia aos 3 meses para corrigir as falhas estéticas e funcionais. Geralmente, fazem outra cirurgia na adolescência para uma nova correção. Já aqueles com fissura palatal passam por, no mínimo, duas cirurgias: aos 12 meses de idade e aos 10 anos, quando é feito um complemento ósseo, caso a fenda atinja o osso que segura as raízes dentárias.

Além dos problemas estéticos que as fissuras causam, as funções da criança ficam comprometidas. Entre elas, a sucção dos alimentos, as expressões faciais e a fala. As dificuldades são corrigidas com as cirurgias e tratadas progressivamente por diversos especialistas: odontologista, fonoaudióloga, psicóloga e outras que interfiram e ajudam o desenvolvimento da criança.

Para Henrique, o problema da auto-estima entre estas crianças é inevitável, já que os pequenos dependem da aceitação social. “Na infância, as crianças veem os defeitos e apontam com liberdade. É muito cruel, por mais inocente que seja”, comenta.

A Operação Sorriso é uma instituição privada, sem fins lucrativos, que pretende intermediar a relação entre os portadores da deformidade e possíveis patrocinadores socialmente responsáveis para o tratamento das fissuras labiopalatinas. Para mais informações, acesse www.operationsmile.org.br/novo.

Consultoria: Henrique Cintra, pai de Guilherme e Eduardo, cirurgião plástico e membro do conselho médico da Operação Sorriso no Brasil.

Pais&Filhos TV