Criança

Chega de rótulos! Não existe essa história de cor de menino e de menina

Pais&Filhos Moda traz esse assunto e quer saber a sua opinião

Andressa Simonini

Andressa Simonini ,Filha de Branca Helena e Igor

(Foto: Reprodução / Kirsten McGoey)

(Foto: Reprodução / Kirsten McGoey)

Na Pais&Filhos Moda que já está nas bancas de todo o Brasil, falamos sobre a tal questão: rosa ou azul? Cor de menina e cor de menino? Pois é, chega desse papo de achar que a cor tem a ver com o sexo da criança. É importante permitir que elas tenham novas experiências, sem rótulos de “brinquedo pra ela e pra ele”. Isso enriquece o aprendizado e elimina preconceitos.

(Foto: Reprodução / Revista Pais&Filhos Moda)

(Foto: Reprodução / Revista Pais&Filhos Moda)

 

Na matéria, apontamos o que nos inspirou: a sessão de fotos “A Boy Can Too”, da fotógrafa Kirsten McGoey, divulgada em julho deste ano. A série de imagens com meninos vestidos como princesas, lendo Jane Austen ou aprendendo balé teve como inspiração um dos filhos da própria artista, mãe de três meninos. Para Kirsten, as escolhas de seus filhos são mais importantes do que os padrões criados pela sociedade. “Brinquedos não podem ter gênero. A infância é uma fase de total aprendizado, de experimentações. Se uma menina quer brincar com carros de corrida e um menino quer ter uma boneca, não tem problema nenhum; o problema é não permitir o acesso das crianças aos brinquedos que elas realmente desejam, criando uma aura de proibido que elas não conseguem entender – e que de fato faz cada vez menos sentido”, diz Sylvia van Enck, psicóloga especializada em famílias, mãe do Felipe, da Patrícia e avó do Thomas.

Anúncio

FECHAR

Gostou? O conteúdo completo você encontra na revista impressa!

Leia também:

Menina questiona a diferença de gênero dos brinquedos

Vídeo: Mãe e filho dão uma aula sobre igualdade de gênero

Brincadeira não tem gênero