Criança

Academia Americana de Pediatria dá sinal vermelho para uso de eletrônicos

Calma, não precisa ser radical. Quem deve medir a dose certa é você!

Vanessa Moura ,Mãe de Ana Luiza

tecnologia

(Foto: Shutterstock)

Há muito tempo a Academia Americana de Pediatria (AAP) recomenda que as crianças não passem mais de uma ou duas horas por dia diante das telas (TV, tablets, smartphones etc). Mas, em um mundo em que estamos cada vez mais conectados e cercados por telas – em restaurantes, filas de supermercados, consultórios – será mesmo possível seguir este conselho?

Recentemente, os pediatras da AAP decidiram atualizar as recomendações, restringindo ainda mais o uso de telas para as crianças. A nova orientação estabelece que bebês de até 18 meses não devem ter nenhuma exposição diária às telas; crianças de 2 a 5 anos não devem ultrapassar mais de 1 hora por dia; e a partir de 6 anos cabe aos pais determinar a quantidade de tempo com base nas recomendações gerais, mas sempre com monitoramento dos conteúdos.

Segundo o pediatra Claudio Len, pai de Fernando, Beatriz e Silvia, a Academia Americana de Pediatria estabelece essas regras porque as pessoas costumam abusar do bom senso. “Existe, de fato, alguns estudos que afirmam que a criança pode ficar mais agressiva e com a concentração reduzida, caso exceda o limite do uso de eletrônicos. Mas, meia hora a mais, não vai fazer diferença. Tem que maneirar, é claro, mas é impossível evitar que um bebê de um ano e meio não tenha contato nenhum com TV, se tiver um irmão mais velho que assista. No meu ponto de vista, a recomendação é apenas uma sinalização e não uma obrigação. O importante é usar o bom senso!”, afirma o médico.

Anúncio

FECHAR

A AAP recomenda que os pais priorizem cada vez mais atividades criativas e brincadeiras que promovam a interação.

Leia também:

50 brincadeiras para o seu filho

As melhores brincadeiras para cada fase

Brincadeira é coisa séria e afeta o desenvolvimento físico, lógico e criativo