Colunistas

Como é bom voltar às origens com os filhos!

A casa em que crescemos, o bairro, as ruas da cidade em que moramos. Tudo isso faz parte de quem somos

rafa-donini

O fim de semana do dia 24 de junho foi muito especial para a Donatella e para mim. Por dois motivos bem simples, mas bastante significativos quando se é mãe. Foi a primeira festinha de São João que ela de fato curtiu, ainda que não consiga aproveitar algumas atrações para crianças um pouco maiores. Fizemos um vestido lindo, com uma mistura alegre de tecidos e babados, e desde o dia da prova ela já se sentiu feliz na roupa, girando na frente do espelho e batendo palmas. A curtição começou ali.

Depois, logo na chegada da festa, lindamente ambientada na escola Ethos, de Goiânia, minha cidade-natal, os olhos de Donatella brilharam intensamente. Bandeirinhas, arranjos de flores e papel, mesas de doces e guloseimas a deixaram encantada. Detalhe que eu amei: a seleção de músicas contemplou canções de raiz, bem brasileiras e ligadas a essa celebração caipira que é muito forte no país, especialmente no Centro-oeste e no Nordeste. As apresentações de dança também deixaram a Donatella empolgadíssima. Foi uma manhã inteira de emoções inéditas para ela, já que, no ano passado, ela era muito novinha para ter a percepção dos encantos de uma festa junina.

Anúncio

FECHAR
(Fotos: Leonardo Felippi)

(Fotos: Leonardo Felippi)

O segundo motivo que tornou o fim de semana tão especial foi justamente ter voltado com ela na cidade onde nasci. À medida que os meses vão passando, ela capta cada vez mais impressões ao seu redor, e posso contar sobre a minha própria infância e mostrar lugares que eu frequentava. Acho muito importante mostrar nossas origens para nossos filhos: a casa em que crescemos, o bairro, as ruas da cidade em que moramos. Tudo isso faz parte de quem somos, de um tempo que se foi mas que está presente inclusive na educação que damos às crianças. Faz parte do nosso DNA. Durante a festa, também encontrei amigas de infância, hoje todas com filhos, e a nostalgia foi ainda maior – mas muito alegre.

Esses pequenos momentos marcam muito a maternidade (e a paternidade, igualmente). Poder compartilhar com os filhos nossas origens, as celebrações simples da nossa cultura e, a cada dia, apresentar sutilezas do mundo que os cerca – sem grandes aparatos, programações ou produções. Apenas relaxar e estar junto.

Um beijo e aproveitem as férias para terem muitos momentos como esses!

Leia também:

Paris com filhos? Não perca a Cidade das Crianças!

Museu da Imaginação: estímulo e alegria para os pequenos

Uma viagem pelo fundo do mar

Pais&Filhos TV