Colunistas

A perda do primeiro dente

Numa mistura de medo e ansiedade, a perda do primeiro dente de leite se tornou um marco na vida do filho mais velho de Nanna Pretto

Lembro muito pouco de quando perdi meu primeiro dente. Acho que foi na Ilha de Itaparica, com meu avô e primos. Certamente ele virou um pingente de ouro que minha mãe deveria pendurar no pescoço e andar pra lá e para cá com exibindo a dentição das filhas. Com o meu filho mais velho a coisa foi diferente: teve caixinha para colecionarmos os dentinhos, Fada do Dente e dinheiro debaixo do travesseiro.

Desde que esse primeiro dente de Gabriel ficou mole, a nossa casa vive em função desse evento. Todos os dias verificávamos se o dentinho estava mais ou menos mole, apostávamos em quantos dias ele cairia e preparávamos as comidas mais “molinhas” para ele conseguir comer.  Claro que entramos no clima da perda do primeiro dente. Não é preciso fazer vistoria diária muito menos preparar comidinha especial. O dente vai amolecendo e, na hora que tem que cair, cai! Salvo alguns casos específicos, quando é preciso levar a criança ao dentista para ele ser extraído por um profissional.

E isso quase aconteceu, porque Gabriel tem uma mãe frouxa. Hihihi 🙂

Anúncio

FECHAR

Semana passada, o dente estava absolutamente mole, o permanente já apontava, e eu não tinha coragem de puxar. Amarrei fio dental, fui no grupo virtual das mães perguntar como foi com elas, olhei na internet. Não adianta. Eu não tenho estrutura para dar um puxão no dente do meu filho.

Mas no fim de semana recebemos uma visita especial vinda de Salvador, das três tivós (tias-avós dos meninos) mais a minha irmã. Além de uma amiguinha de Gabi aqui do prédio. E foi nesse dia que Tia Sá puxou corajosamente o primeiro dente de leite de Gabriel. Lágrimas nos olhos de papai e mamãe, com a constatação que o filhote está crescendo. E uma alegria inacreditável estampada na carinha do meu menino.

Espalhamos desenhos pela casa, perguntando à Fada do Dente quanto ela pagaria por esse dente. Gabriel ficou se sentindo mais velho, mais corajoso, menos criança. Quase que instantaneamente. Se olhava no espelho e se comparava com os demais amigos banguelas. E já iniciava a sua expectativa pelo amolecimento do segundo dente. “Será que vai ser o de cima ou o debaixo?”

A queda do primeiro dente se tornou um marco aqui em casa. Para nós, pais, que vemos ele um pouco mais moleque, menos criancinha e, para ele, que agora se vê um menino grande, iniciando a nova fase dos seis anos de vida!

 

Pais&Filhos TV