Colunistas

A pele da grávida

Acne, coceira, alergias e estrias. Tudo isso vem no pacote da gravidez. A oferta é pouca, mas alguns cosméticos podem ajudar a passar pelo desconforto

Está tudo lindo e belo. Rafael mexendo, a barriga aumentando e meu lugar preferencial no metrô garantido (bem, pelo menos 90% das voltas pra casa). Mas posso ser sincera? Aquele zero glamour da gestação, que comentei algumas semanas atrás, persiste, e, vou falar, não sei quem foi a alma que criou o estereótipo da grávida bela de capa de revista. Só podia estar embasbacado de amor… 

A pele está . A barriga coça (primeiro sinal DESESPERADOR de que estrias podem aparecer) e o cabelo cai. As unhas, ahhh, só essas se salvam e crescem firmes e fortes. De resto, meu bem, é muito amor do papai que dorme ao lado para achar tudo belo e pleno. 

Desesperada com a pele de adolescente, fui à procura de cosméticos salvadores. Além da bela e boa maquiagem diária (que já fazia parte da rotina da mãe vaidosa), lancei mão (e dinheiro) a uma bela consulta médica e alguns produtinhos. 

Anúncio

FECHAR

Sim, a lista é pequena. Grávida não pode usar isso, aquilo, nem aquilo outro. Nada com ácido, nada efetivamente eficiente contra as celulites, nem contra as manchas da pele. Como é tudo em caráter preventivo, o jeito é cuidar como pode por esses meses, ainda mais agora que o fim de ano se aproxima e, com ele, vem o sol. 

Esse é mesmo um período de muitas alterações fisiológicas no corpo e na pele da mulher, que pode passar a apresentar um padrão de resposta diferente do habitual. Mesmo aos cremes que ela era acostumada a usar. Por isso, a dica número 1 é: só use qualquer coisa indicada a você (seja pela farmácia, pela vizinha, ou pela mãe gata da escola), se o seu médico der o ok. Caso contrário, abrace a fisionomia de gata borralheira por mais alguns meses. 

Aproveitando o gancho, conversei com a dermatologista Anamaria Facina, que faz parte da Sociedade Brasileira de Dermatologia e é formada pela Unifesp, sobre os cuidados com a pele da grávida. Ela me explicou que, durante a gravidez, há o aumento de hormônios que estimulam a pigmentação da pele. E daí podem aparecer os melasmas (que na verdade têm o nome estranho de cloasma gravídico). Na primeira gravidez eu tive bastante no rosto, mas Anamaria explica que esse tipo de mancha também pode aparecer em mulheres que se expõem muito ao sol e também para as que fazem uso de pílula anticoncepcional. Ai! 

A boa notícia é que as manchas que forem decorrentes unicamente do aumento de hormônios deste período gestacional tendem a desaparecer sozinhas. A má notícia, para quem não tinha o hábito de aplicar protetor solar todo santo dia, é que, principalmente durante a gravidez, isso se torna essencial. Item obrigatório!

E aí a médica dá uma dica: o FPS 30 já é suficiente, na maioria dos casos. E é sabido que, quanto maior o fator de proteção solar, mais grudento é o produto. Então vale procurar um protetor que seja à base de componentes físicos. Os da linha infantil podem ser perfeitamente utilizados pelas mamães.

Quem espera usar um ácido, fazer peeling, ou algo que combata o aparecimento de manchas durante os nove meses, é bom pensar no plano B: eles geralmente são contraindicados durante a gravidez. Mas os produtos à base de vitamina C são bem-vindos e podem ser utilizados para clareamento até o término do aleitamento materno.

Com relação às espinhas e cravos, que aparecem principalmente na lateral do rosto, colo e costas, Anamaria me explicou que não existe um consenso a respeito da piora da acne ou do aumento de oleosidade. O que ocorre, na verdade, é que algumas mulheres com acne podem tanto piorar quanto melhorar. Aí só o médico pode dizer, já que depende de cada caso.

Aposente durante a gravidez:

Retinoides: São derivados da vitamina A e podem levar à malformação do bebê, como é o caso da isotretinoína (utilizada para tratar acne). A prescrição desse tratamento é feita normalmente apenas por dermatologistas experientes e que seguem um controle rigoroso em relação à prevenção na gravidez.

Ácido Retinoico: Não é recomendado durante a gestação. Embora não se possa garantir sua implicação na gênese de malformação, não é possível isentá-lo.

Uma grande parte dos médicos prefere que as grávidas não corram riscos desnecessários e contraindicam o uso de ácido nesta fase. Além dos ácidos, são contraindicados:

– derivados de chumbo

– salicilatos

– cânfora

– formol

– formaldeído, entre outros.

Monte sua nécessaire:

Depois de todo esse estudo com base nas pesquisas que fiz com os médicos, montei a minha nécessaire de grávida. Nela eu incluí um creme de estrias, óleo para banho e gel calmante para os pés; protetor solar em diferentes fatores (porque corro ao ar livre, vou à praia e uso no dia a dia); sabonete antioleosidade, que uso diariamente, e um creme hidratante, pois, apesar da oleosidade do colo e do rosto, o resto do corpo dá uma ressecada. Ah, e um santo creme clareador, para as manchas de gravidez. 

Pais&Filhos TV